Assine Já
sexta, 06 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
Geral

Modelo cabofriense vai ao Equador em busca de mais um título de Miss

A estudante de administração sonha com mais um título 

27 maio 2014 - 10h23
Modelo cabofriense vai ao Equador em busca de mais um título de Miss

Num doce balanço rumo a passarelas internacionais, a modelo Karoline Andrade quer trazer mais uma faixa para a coleção. A cabofriense de 20 anos disputa, desta vez, o título de Miss Queen Beauty World, no Equador, na primeira semana de agosto. Karoline será a representante do Brasil na competição, que reúne cerca de 50 modelos de países diferentes – mas, para o sonho se concretizar, é necessário apoio financeiro de um patrocinador. E a miss – que pesa 62 quilos e tem 1,75 metros – não se intimidou diante da forte concorrência. Estudante de Administração, a jovem passou por um processo de avaliação e atendeu às exigências necessárias para participar do concurso: elegância, postura, simpatia, fotos bem produzidas e bom comportamento. Atualmente, ela não esconde que a maior recompensa da carreira é ser referência para outras meninas em sua cidade natal.   

 – É legal quando as pessoas me reconhecem. Elas dizem: ‘Nossa, você que é a Karoline Andrade’. Acabaram me vendo como um espelho!  –  anima-se.

Karoline enfileirou diversos títulos nos últimos anos: ao total, já carregou sete faixas nos ombros. Entre as mais importantes estão o de ‘Rosto Mais Bonito’ no concurso Miss Brasil, Miss Simpatia e Miss Passarela. E isso, ela garante, só é possível graças a todo o apoio de amigos e familiares. Aliás, na faculdade, ela já até ganhou um carinhoso apelido: ‘Miss’.

– O apelido pegou mesmo. Os meus parentes também são muito presentes na minha carreira. A minha mãe até deixou de trabalhar para poder me ajudar a crescer como modelo. Não posso reclamar de ninguém. As pessoas têm muito carinho e me ajudam bastante nessa caminhada – afirma a bela que cursa Administração de Empresas.

Antes de começar a carreira de modelo, Karoline também chegou a desfilar entre quatro linhas. Isso mesmo: sonhava ser jogadora de handebol. Chegou até a ser eleita  melhor atleta do estado do Rio, aos 14 anos. Mas, no meio do caminho, veio uma contusão, que logo conseguiu driblar: em vez de brilhar no esporte, foi para as passarelas.

– No início da minha carreira de modelo,  não fui muito otimista. Achava que era muito bruta por ser jogadora de handebol – ela confessa.

– Na minha cabeça, as meninas que desfilavam deveriam ser mais delicadas. Mas vi que não era bem assim. Acabei machucando o joelho e precisei operar. Mas não operei. E decidi optar pela carreira como modelo. A contusão foi fundamental para a minha decisão. As conquistas também me deram confiança e sinto muito amor pelo que faço.

Tudo começou aos 10 anos de idade, quando entrou para a Oficina de Modelos Fabíola Lyma. Cada conquista, no entanto, significava obstáculos vencidos. Ela lembra que as dificuldades não demoraram a aparecer. Um dos empecilhos foi conciliar a agenda com o trabalho no escritório de contabilidade do pai, Ramires Rodrigues de Souza.

– Certa vez, precisava fazer um desfile em Macaé. Não faz muito tempo.  Precisava desfilar às 15h. A volta para a casa foi apenas à noite e estava muito cansada quando cheguei a Cabo Frio.  Precisei trabalhar no escritório no dia seguinte. Penso que um sonho não vem sem esforço. Tenho na minha mente que devemos lutar o máximo possível para alcançar os nossos objetivos. Não podemos ficar parados esperando que nossos desejos se realizem – conclui.

Apoio

Mas Karoline faz um pedido para dar passos maiores. Ela precisa de patrocínios para cobrir os gastos de cada concurso.

– Precisamos de apoio financeiro para cobrir os custos. Tenho que gastar dinheiro com passagem, hospedagem a cada viagem. Além disso, preciso comprar um vestido para concorrer. Isso tudo custa caro.