Assine Já
segunda, 16 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
Geral

Guardas fazem assembleia e ameaçam nova paralisação em Cabo Frio

Eles receberam uma nova promessa

05 maio 2014 - 20h56
Guardas fazem assembleia e ameaçam nova paralisação em Cabo Frio

Alegando descumprimento na promessa de acertar, nesta segunda-feira (5), as horas extras trabalhadas em abril, guardas municipais fizeram uma assembléia no fim da tarde e ameaçam uma nova paralisação em Cabo Frio. Segundo eles, a paralisação só não foi decretada na segunda por conta de uma nova promessa: o governo se comprometeu em depositar R$ 1 mil na conta de cada guarda até esta terça. Caso isso não aconteça, eles dizem que vão parar os trabalhos.

– A dívida pelo não pagamento das horas extras trabalhadas é maior do que R$ 1 mil para todos os guardas. Os valores variam. No meu caso, por exemplo, falta receber R$ 1,5 mil. Como o governo não cumpriu a promessa de depositar o valor integral até hoje (ontem), fizemos uma assembléia para interromper os trabalhos. Mas recebemos a promes-sa de que cada guarda vai receber R$ 1 mil até amanhã (hoje), então decidimos esperar – explicou o agente Paulo Sérgio, que é lotado na Guarda Marítima e Am-biental, reclamando também da estrutura de trabalho.

– A estrutura é muito precária. Estamos sucateados e falta preparação. Muitos guardas estão nas ruas mas não fizeram sequer o curso de trânsito – afirma ele.

Relembre o caso

As queixas vieram à tona durante a paralisação dos guardas na noite de quarta-feira passada, em protesto contra o corte das horas extras, anunciado pelo prefeito.

Na ocasião, os servidores entraram em greve reivindicando pagamento das horas a mais trabalhadas no carnaval e no mês passado, além de solicitarem me-lhores condições de trabalho. Se-gundo os funcionários, é preciso melhoria nas instalações da guarda municipal e marítima no Jardim Esperança, Tamoios, São Cristóvão e na Passagem. Os guardas reclamaram da estrutura precária nas unidades: faltam camas e colchões e, além disso, os alojamentos não teriam separação para homens e mulheres.