Assine Já
segunda, 16 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
arvore

Derrubada de árvore na Praça Porto Rocha causa polêmica e indignação em Cabo Frio

Segundo a prefeitura, árvore estava seca

26 junho 2014 - 18h23Por Texto: Gabriel Tinoco | Foto: Johnny Costa
Derrubada de árvore na Praça Porto Rocha causa polêmica e indignação em Cabo Frio

A retirada de uma árvore em frente à Igreja Nossa Senhora da Assunção, na Praça Porto Rocha, causa polêmica em Cabo Frio. A Companhia de Serviços Públicos de Cabo Frio (Comsercaf) recebeu autorização da secretaria de Meio Ambiente para realizar o corte. Segundo a prefeitura, a árvore estava seca e oferecia riscos para os pedestres. 

Entretanto, estudantes ficaram indignados com a medida. Eles colocaram um cartaz no local com os dizeres: ‘nem essa salvaram’. Também houve repercussão nas redes sociais. A aluna do Instituto Politécnico da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luana Azerêdo, postou foto da árvore cortada em sua conta no Facebook. A postagem recebeu mais de 50 curtidas. Nos comentários, muitos protestos.  A Folha foi às ruas e ouviu a opinião de moradores e turistas. A reprovação foi unânime entre os entrevistados. 

– Tiram mais uma sombra da nossa praça. Já não temos muitas árvores para poder sentar e conversar sem sentir um calor insuportável. Eles precisam é colocar mais árvores e não retirar. Cabo Frio normalmente tem um sol forte e precisamos fazer tudo para aliviar isso – diz o guardião de vigilância Júnior Souza, 28.

O decorador Luciano da Silva, 37, sente falta da Praça Porto Rocha repleta de plantas e árvores. Segundo ele, o lugar era bem mais arborizado há alguns anos.

– É um absurdo retirarem a árvore. Antigamente, qualquer lugar da Praça Porto Rocha era fresco e agradável. Mas fizeram a reforma e isso tudo acabou. Não temos mais uma praça onde queremos ficar. Estamos acabando ainda com a beleza da cidade. Precisamos de mais belezas naturais, que são o ponto forte de Cabo Frio.

Há quem reprove qualquer ação contra a natureza. É o caso do pedreiro argentino Ivan Galleguilhos, 60.

– Não temos o direito de tirar o que a natureza construiu durante tanto tempo. Imagina quantos anos aquela árvore deveria ter? Nós fazemos o que bem entendemos sem nos preocupar com a natureza. Espero que replantem árvores no mesmo local e que não façam mais isso – palpita.

Tereza Pereira, caixa, não acha que a solução tomada pela secretaria de Meio Ambiente seja correta. Para ela, o governo deveria tomar mais cuidado não só com o patrimônio público, mas com a natureza.

– Não adianta nada deixar que a árvore fique assim. Devemos tomar conta de tudo que está na cidade, inclusive da natureza. E mais: poderíamos também plantar mais algumas árvores. Antigamente a cidade e a praça possuíam muito mais árvores e não passávamos por nenhum risco – finaliza ela