Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
flor de cerejeira

Cabo Frio receberá em dezembro a 1ª Feira Flor de Cerejeira

Evento reunirá artesanato, decoração e moda

11 novembro 2016 - 15h59Por Redação

Um evento que reúne artesanato, decoração e moda e, também, espaço cultural, área para crianças e praça de alimentação. Essa é a fórmula da I Feira Flor de Cerejeira, que será realizada nos dias 10 e 11 de dezembro, no salão da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Cabo Frio. Serão, ao total, 37 estandes. E a expectativa de público é de 500 pessoas por dia, contam à Folha as organizadoras Tatiana Vilela, Carolina Vilela e Cintia Carvalho.

Folha – Como surgiu a ideia do evento?

Tatiana Vilela – É uma parceria que aconteceu entre o atelier Ideias & Arte, doceria Doces & Travessuras e agência publicitária Lecaso. O atelier tem experiência na área de eventos há 25 anos. Quisemos trazer para Cabo Frio uma nova visão de venda direta na área de feira. Há uma valorização do expositor e do cliente. Tudo em uma ambiente completamente familiar e aconchegante. A entrada será gratuita.

Folha – Qual o potencial de Cabo Frio para a realização de feiras como esta?

Tatiana – Temos experiência na organização de feiras em outras cidades, como Brasília e Petrópolis. Toda cidade turística tem público muito grande para feira. E, hoje, no Brasil, as pessoas estão entendendo o valor do artesanato. No verão, o público multiplica.

Folha – A expectativa é que o evento entre para o calendário da cidade?

Tatiana – A intenção é que a feira aconteça bimestralmente, exceto em alta temporada. Já temos data para uma segunda edição, em janeiro, nos dias 7 e 8. Nosso objetivo é fazer todas as edições no mesmo local, atraindo um público fiel.

Folha – Conte um pouco sobre o lado social da feira.

Tatiana – Queremos dar à feira um cunho social. Com o evento, damos visibilidade à Associação dos Aposentados e Pensionistas. Eles oferecem cursos e aulas para os aposentados. Mas as atividades dependem de apoio financeiro. Por isso, essa é uma oportunidade de ajudá-los a conseguir novos patrocinadores.