Assine Já
terça, 10 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
27ºmax
20ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
autismo

Após quatro meses, drama da menina autista continua

Mãe de Eduarda alega que profissionais ainda não estão treinados sobre autismo

07 junho 2014 - 17h29Por Nicia Carvalho
A questão da  educação inclusiva em Cabo Frio, envolvendo a capacitação dos profissionais, volta à tona na cidade. E mais uma vez por conta de um episódio envolvendo a menina Eduarda Castanho, de 10 anos. Segundo a mãe, Renée Noronha, a capacitação oferecida pela Secretaria Municipal de Educação sobre o autismo não preparou os profissionais para lidar com crianças especiais. Ela diz ainda que nem todos os profissionais da escola participaram do treinamento. 
– Nunca vi alguém aprender alguma coisa sobre como lidar com autista em apenas um dia. Já liguei várias vezes e não consigo audiência com a secretária – entregou Noronha.
 Segundo a mãe, na semana passada, a menina mordeu a mão da professora porque a mesma tentou devolver um biscoito que Eduarda pegou de outra criança.
– O autista funciona de forma diferente, na base da troca. Se eles fossem preparados saberiam disso e a Duda não teria mordido ninguém – contou a mãe.
Renée reclama ainda que Duda não tem atividades na escola.
– Minha filha fica jogada, não faz nada, não aprende nada – desabafou Renée Noronha. 
De acordo com a Secretaria de Educação (Seme), o Departamento de Formação Continuada (Defoc) oferece treinamento aos profissionais. 
– Os cursos são direcionados aos auxiliares de classe e professores. Desde o ano passado, o Defoc vem oferecendo diversos cursos com temas voltados para a Educação Inclusiva – explicou Jocélia Pinho, chefe da Divisão de Educação Inclusiva do Departamento de Gestão Pedagógica (Degepe).
Segundo Pinho, as declarações de Renée não procedem.
– A diretora da escola, professora Hábia Rosane, juntamente com o orientador pedagógico, professor Marcos Antônio, estiveram na Seme declarando a total insatisfação de toda a equipe da escola com as citações infundadas que vêm sendo veiculadas em blogs e sites de relacionamento – disparou Jocélia Pinho.
Quanto ao comportamento de Eduarda, Jocélia informou que a agressão de Duda “não tem a ver com afetividade”.
– Certos comportamentos fazem parte das características do quadro de autismo.  Autistas apresentam limites de tolerância e, quando esse limite se esgota, eles tendem a ficar mais agitados. Então, o fato de a aluna ter agredido um profissional não tem relação com afetividade, até porque o autista também tem dificuldades em  se relacionar – explicou, acrescentando que tanto a diretora quanto o orientador da escola da menina negam que autista fica sem atividade escolar.