Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
HCE

Viúvo de jovem que morreu esperando transferência vai processar Prefeitura e Estado

Taiane Oliveira ficou 22 dias internada no HCE, em Cabo Frio

30 agosto 2016 - 09h20Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Pessoal
Viúvo de jovem que morreu esperando transferência vai processar Prefeitura e Estado

O marido de Taiane da Silva Costa de Oliveira, de 22 anos, que morreu no último sábado, após ficar 22 dias internada no Hospital Central de Emergência, em São Cristóvão, afirmou ontem à Folha que vai processar a Prefeitura de Cabo Frio e o Governo do Estado por não terem cumprido um mandado de segurança expedido pela Justiça que determinava a transferência da jovem para uma UTI na capital. Taiane estava com um quadro de infecção generalizada e problemas cardíacos, desenvolvidos após ter contraído zika e chikungunya há alguns meses.

Para Leandro Costa de Oliveira, de 35 anos, o desfecho do episódio poderia ter sido diferente, caso a transferência tivesse acontecido antes. Ele chegou a registrar o caso na 126ª DP (Cabo Frio), que vai investigar o caso.

– Pretendo entrar com um processo. Mataram a minha mulher. Minha esposa morreu por negligência do Estado, da Prefeitura e do hospital. Ela teve 55 mil bactérias em torno do coração. Se ficasse viva, ficaria amputada. Não vai trazê-la de volta, mas fazer Justiça iria me confortar – comentou.

Ainda segundo Leandro, inicialmente, a mulher seria transferida já no dia seguinte à internação para o Hospital São Miguel, em Cabo Frio, mas após sucessivos adiamentos, o quadro se agravou, o que o levou a pedir na Justiça uma vaga em outra unidade com mais recursos para a realização de uma cirurgia, que já era vista como necessária pelos médicos. Um dreno chegou a ser colocado para retirar líquido que estava retido em torno do coração da jovem, mas nos dias seguinte ela teria contraído uma infecção, que comprometeu seu estado de saúde.

Uma vaga chegou a ser conseguida para um hospital de Vassouras, a seis horas de Cabo Frio, mas de acordo com Leandro, a remoção não foi permitida, em função da piora no quadro de Taiane.

(*) Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira.