Assine Já
quinta, 21 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
votação

Vereadores ignoram liminar e reprovam contas de Marquinho na marra

Defesa do ex-prefeito, no entanto, garante que decisão da Câmara será anulada

19 agosto 2016 - 08h23Por Rodrigo Branco
Vereadores ignoram liminar e reprovam contas de Marquinho na marra

Após um dia inteiro de intensa batalha política e, sobretudo, jurídica, os vereadores de Cabo Frio reprovaram por 9 votos a zero as contas de 2012 de Marquinho Mendes (PMDB), ignorando uma liminar obtida pela defesa do ex-prefeito na madrugada de ontem. 

Com a decisão, em tese, o peemedebista ficaria inelegível para disputa eleitoral deste ano por causa de uma decisão do Supremo Tribunal Federal da semana passada que dá competência exclusiva às Câmaras Municipais para o julgamento de contas. Mas o escritório de advocacia que defende Marquinho, informou que os parlamentares que votaram pela reprovação das contas é que vão sofrer sanções judiciais.

– A Câmara descumpriu uma ordem judicial e agora quem fez isso vai sofrer as sanções por esse ato. O juiz deve determinar sanções criminais, administrativas, penais e cíveis. O presidente (Marcello Corrêa) pode sofrer ação de improbidade e ser afastado da Câmara por descumprir a determinação judicial – comunicou o escritório.

Com a candidatura da Marquinho em jogo, a Câmara viveu um dia atípico, tenso e longo. A partir da primeira suspensão dos trabalhos, feita às 10h20 pelo presidente interino Vanderlei Bento (PMB), seguiram-se inúmeras reuniões, conversas ao pé do ouvido e tentativas da Procuradoria da Câmara de derrubar o mandado de segurança. A última delas, no começo da noite, foi malsucedida. 

Por sua vez, a Procuradoria da Câmara alega que o que foi votado foi o parecer da Comissão de Finanças da Casa e não o relatório previamente reprovado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), amparado pela liminar.