Assine Já
quinta, 26 de novembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Vereador

Vereador quer proibir Uber em Cabo Frio

Projeto foi encaminhado para Comissão de Constituição e Justiça

05 janeiro 2017 - 23h25
Vereador quer proibir Uber em Cabo Frio

O vereador Vanderlei Bento (PMB) quer proibir o Uber de circular em Cabo Frio. A proposta, polêmica, foi encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) durante a sessão da manhã de ontem da Câma­ra de Cabo Frio. Outros projetos que foram para a comissão são a auditoria nas contas do governo Alair Corrêa e a prioridade para pagamento dos atra­sados dos servidores públicos.

Segundo Vanderlei, o objetivo da medida é proteger os taxistas e os próprios motoristas do Uber. Vanderlei alega que as empre­sas apenas lucram sem recolher im­postos para a cidade.

– Eu acho que colocar não sei quantos mil carros nas ruas não vai ficar economicamente viável para ninguém. Nem para o Uber, nem para os taxistas. O Uber também não dá direitos trabalhistas. A pessoas às vezes trabalha 16, 18 horas sem re­ceber horas extras – alega Vanderlei.

Em nota enviada à Folha, o Uber afirmou que por diversas vezes os tribunais brasileiros afastaram as tentativas de proibição do aplicativo, confirmando a legalidade das ativi­dades da empresa e dos motoristas parceiros e garantindo o direito de escolha da população.

Guilherme Moreira (PPS), pre­sidente da CCJ, garantiu que este projeto e outros que foram enviados à comissão – auditoria de Alair e prioridade aos servidores, ambos de Rafael Peçanha (PDT) – serão trami­tados dentro do tempo determinado.

– A celeridade será completamen­te honrada. O que estamos vendo na cidade é um povo insatisfeito e com razão, mas não podemos passar por cima das leis. E as leis requerem 15 dias de apuração até para que não haja nenhum erro e o povo sofra – argumenta Moreira.