Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
ventos

Ventos fortes prejudicam pesca e aumentam apagões pela Região dos Lagos

Quedas de luz foram constantes nos últimos dias em São Pedro, Arraial e Cabo Frio

15 setembro 2017 - 12h50Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Ventos fortes prejudicam pesca e aumentam apagões pela Região dos Lagos

Nas últimas semanas tem sido comum ver pelas ruas gente ajeitando a roupa ou o cabelo por causa das insistentes rajadas de vento. No entanto, muito além dos pequenos incômodos, a ventania tem trazido transtornos maiores para a região. Ontem, em Cabo Frio, o pico de velocidade das rajadas do vento Nordeste foi 38 Km/h, às 18 horas. Para hoje, no mesmo horário, a previsão é que o deslocamento do ar chegue a 35 Km/h. Nas demais cidades, o panorama é semelhante. 

Por causa disso, principalmente em Arraial do Cabo, as quedas de energia elétrica estão mais frequentes desde o começo do mês. Entre quarta-feira e ontem, diversos bairros, inclusive da região nos distritos, ficaram várias horas sem luz. Cabo Frio e São Pedro da Aldeia também sofrem com os constantes ‘apagões’.

A concessionária de energia, Enel Distribuidora, admitiu os problemas. Em nota, a empresa disse que “em alguns locais, galhos de árvores e objetos foram lançados sobre a rede elétrica”. Para dar conta de tantos atendimentos, a empresa disse que a aumentou o número de equipes trabalhando na região, para normalizar o serviço “o mais brevemente possível”.

Para os Bombeiros, o vento característico da região dificulta as ações de combate às queimadas. Segundo o comandante do 18º GBM, tenente-coronel Cássio Capelli, a corporação precisou usar dezenas de milhares de litros de água para debelar as chamas na Estrada do Guriri, há uma semana.
– Se houver uma ação dolosa, é uma situação que foge ao controle e ganha grandes proporções por abranger uma área bem maior – explica.

Pouca pesca, preço no alto – Os ventos fortes são considerados normais em agosto e setembro, mas a intensidade do fenômeno climático este ano está sendo considerado atípico. Por afetar a segurança, determinadas atividades estão sendo impactadas financeiramente. Principalmente aquelas ligadas ao mar. No caso dos passeios de barco, desde domingo, a Capitania dos Portos tem imposto restrições para as embarcações. Por causa da maré alta, as saídas estão limitadas ao Canal do Itajuru. Na segunda e terça passadas, nem isso.

– Temos dois horários fixos. Nos últimos dias, de dez saídas, fizemos uma. Mesmo assim com o percurso reduzido a 40%. Ganhamos 70% menos do que a gente poderia – comenta Émerson Paiva, que é administrador do terminal de barcos de Cabo Frio.

Dono do barco Iguaçu II, o barqueiro Ricardo Nascimento, 41, também teve que diminuir o número de pessoas que costumava levar para fazer pesca recreativa em alto-mar.

– Se não tiver em condições de sair eu não saio. Aí depende do grupo de pesca. Ou adia o passeio ou eles fazem em área restrita – resigna-se Ricardo, que se informa sobre os ventos em sites especializados e nos papos à beira do cais.

Às margens do Canal do Itajuru, é grande o número de barcos atracados. A maioria deveria estar no mar em busca do sustento da casa, mas as condições climáticas acabam impedindo. Mesmo os mais experientes respeitam.

– Quem está no mar, quer voltar, mas passa sufoco. Não tem como ir. É risco de vida – diz, prudente, o pescador Reinaldo de Paula, 62 anos, 30 de profissão.

Menos barcos no mar significa menos pescado. Com a oferta de produtos em baixa, os preços vão às alturas. No Mercado do Peixe, a elevação fica em torno de 25%. A anchova que, por exemplo, costuma ser vendida a R$ 13 o quilo; está saindo a R$ 20. O camarão subiu de R$ 30 para R$ 35 e o cação de R$ 20 para R$ 25.

– Tem chegado pouca mercadoria. De uns 20 ou 30 barcos, tem saído uns três ou cinco. Mesmo assim estão se arriscando – disse Jorge Luis, o ‘Pacífico’.

O colega Augusto Almeida, o ‘Angolano’ concordou.

– Quem se arrisca não quer vender barato – disse, para justificar o repasse do custo aos fregueses.