Assine Já
sexta, 03 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 317 Confirmados: 2983 Óbitos: 179
Suspeitos: 317 Confirmados: 2983 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 9 471 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Vendedor de móveis usados, Joaquim da Silva devolve envelope com R$ 2.500

Dinheiro foi achado no centro de Arraial do Cabo

11 setembro 2015 - 09h22

GABRIEL TINOCO

 

“Andando pela cidade, encon­trei um enroladinho de papel, bem arrumadinho, sabe? Achei lá em frente à barbearia de Totô, no Centro de Arraial do Cabo, perto do Açougue do Chiquinho, ali no centro mesmo, numa rua­zinha que desce. Levei o papel para casa, abri e vi que havia 2500 reais”. Seria só uma grata surpresa, não fosse a escolha de Joaquim da Silva, 78, conhecido como Quebra Galho, devolver o envelope que continha mil reais a mais do que a sua renda men­sal – muito para um vendedor de móveis usados, pouco para seu Joaquim. Ele anunciou o acha­do, que não foi roubado, na Rá­dio Ondas. Na manhã desta quinta-feira (10), Adriano da Silva, dono de uma padaria, recebeu o dinheiro que havia perdido em mãos no Pro­grama do Amaury Valério.

– Deixei o telefone lá no Amaury. Uma pessoa que ou­viu, ligou para lá dizendo que era o dono do dinheiro achado pelo Quebra Galho. Confir­mei o nome através do boleto e pude entregar o valor direi­tinho. Estou muito feliz. Já fiz outras devoluções e essa nem deve ser a última – comentou, radiante de alegria.

A nobreza do gesto é expressa no modo simples de falar, com um ensinamento herdado na in­fância, repassado de pai para filho através da melhor maneira possível: o bom exemplo.

– Meu pai sempre me ensi­nou a ser honesto. Veja como é: aquilo que não é da gente, a gen­te procura devolver. Tenho dez filhos e passo para eles de uma vez só, com o exemplo. Graças a Deus todos são trabalhadores e nunca precisaram de nada que não é deles.

Não é a primeira vez que o cabista prova a sua honestidade. Joaquim lamenta que nem todos os brasileiros sigam o ensina­mento do seu pai.

– O Brasil precisa de gente honesta. Infelizmente, a gente elege uma cambada para nos en­vergonhar – comenta.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa do jornal desta sexta-feira (11)