Assine Já
sábado, 24 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
aposentadoria

‘Vai ficar mais difícil aposentar’

Presidente de associação cabofriense analisa as novas regras

25 maio 2015 - 14h20
‘Vai ficar mais difícil aposentar’

A proposta sobre as novas regras da aposentadoria, aprovada na Câmara, não mexe com a vida de quem já está no descanso, mas muda o jogo para quem está perto de se aposentar. O presidente da Associação dos Aposentados de Cabo Frio, Álvaro Rodrigues dos Santos falou sobre os problemas encontrados pela Associação e pelos aposentados da cidade. Além disso, a mudança no cálculo do fator previdenciário também pode gerar um prejuízo de R$ 40 bilhões em dez anos ao Governo Federal, já que o Estado teria encargos que hoje não tem.

As novas regras ainda precisam passar pelo Senado. Atualmente, o cálculo leva em conta idade, contribuição e expectativa de vida do brasileiro. O novo projeto muda o tempo para aposentadoria: para o homem, é necessário que idade mais tempo de contribuição seja igual ou superior a 95. Para mulheres, 85. Para professores, são cinco anos a menos em cada caso. Hoje, um homem, por exemplo, se aposenta em média com 54 anos de idade e 35 de contribuição.

Imaginando uma pessoa que tenha aposentadoria no valor de R$1.500, e aplicando as mudanças no valor do cálculo, o benefício cairia para R$1.012,50. Nas novas regras, para receber o valor integral, essa pessoa teria que trabalhar seis anos a mais. A contraproposta da Câmara sugere que, se essa pessoa trabalhar pelo menos metade (três anos) desse tempo a mais, tenha direito de receber o valor integral. A diferença, no caso, seria paga pelo Estado, o que causa rejeição do Governo Federal.

De acordo com Álvaro, os recentes problemas do país fazem com que o Governo procure formas de amenizar as despesas. Ainda assim, o impacto que seria causado por aqueles que esperam pela sua aposentadoria só mostra um descaso ainda maior com toda a população.

– Sou aposentado há 25 anos e acho que essas regras dificultam muito o trabalhador. Eles mudam as regras da aposentadoria em decorrência dos escândalos do país e quem quer tanto se aposentar, e não tem culpa, que acaba sofrendo as consequências – afirma Álvaro.

As mudanças nas regras da aposentadoria mexem num ponto que há muito é problema para os aposentados: dinheiro. E é para sanar – ou pelo menos ajudar a minimizar – essas questões, que foi criada, há mais de 20 anos, a Associação dos Aposentados de Cabo Frio, que cresceu graças à força de vontade daqueles que nunca desistiram da instituição. A Folha visitou o local, e Álvaro falou sobre o importante papel de intermédio pelo qual a associação é responsável.

– Nós temos diversos convênios com clínicas de fisioterapia, odontológica e alguns médicos. Uma das coisas mais difíceis é conseguir contato com médicos e hospitais para fazer um novo catálogo. A maioria dos associados já conhece os serviços que oferecemos, mas sempre que eles vêm efetuar o pagamento da mensalidade – uma quantia simbólica de R$10 – procuram saber se estamos oferecendo algo novo – diz.

Apesar das dificuldades e da falta de apoio, Álvaro é otimista em relação à associação. Segundo ele, é o amor pelo que faz que mantém tudo funcionando. Além do auxílio a aposentados, o local também oferece cursos, que ajuda a manter tudo funcionando.

– Com o valor cobrado pela mensalidade podemos dizer que isso tudo aqui é um êxito. Isso tudo graças ao Sr. Luiz, responsável por fundar a associação. Mesmo assim, oferecemos cursos que estão “bombando”, como diz os jovens. Aqui dentro temos o curso de eletricidade e o de refrigeração. O valor é R$40, dividindo R$20 para o professor e R$20 para nós.

De acordo com Álvaro, ser presidente traz responsabilidades que afetam a vida pessoal. Entretanto, ele tem consciência da importância de tudo aquilo. Feliz por fazer parte de um projeto como esse desde o começo, ele conta que a é uma ser da diretoria há tanto tempo.

– Estou aqui há muito tempo, mas sou presidente há quase dois anos. Tenho minhas coisas pessoas para resolver e mesmo assim não deixo de vir aqui. O que eu faço aqui é pela honra. Manter algo tão importante como isso aqui por apenas R$10 por mês de cada é algo muito difícil. Mesmo assim eu sei que essa cultura é necessária, eu sei que precisamos desse espaço – aponta o aposentado.