Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8312 Óbitos: 427
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
holanda

Vaarwel: Holandesas dão adeus a Cabo Frio

Jogadoras de handebol vão ao Rio em busca do ouro olímpico

02 agosto 2016 - 19h34
Vaarwel: Holandesas dão adeus a Cabo Frio

Os tons de laranja que tomaram conta dos arredores da Praia do Forte nos últimos dias já não se fazem mais notar. A Seleção Holandesa de handebol feminino deixou a cidade, na manhã de terça (2), em busca do sonho do ouro olímpico, que, para elas, começa no sábado (6), contra a França, no Rio de Janeiro. Antes disso, a Folha conversou com a ala Ailly Luciano, que elogiou a cidade e se mostrou esperançosa com o pódio nos Jogos.

– Nós viemos para treinar bastante e deu pouco tempo de visitar os lugares a lazer, mas hoje [anteontem] tivemos o dia livre e fomos à Praia do Forte. É um lugar lindo e pudemos ver a estátua dourada do Leandro. Foi um dia legal – contou.

A jogadora surpreendeu-se com o clima da cidade.

– Esse é o inverno de vocês? – perguntou. – Porque essa temperatura nós não temos nem no verão, muitas vezes. Foi muito agradável estar aqui – ela riu.

As holandesas chegaram à cidade na sexta-feira e treinaram nas instalações do Ginásio Alfredo Barreto, no Portinho, onde também jogariam um amistoso contra a Seleção Brasileira, domingo. No entanto, por conta da chuva do fim de semana, o jogo foi transferido para o Rio, onde terminou empatado. 

– O Brasil tem um bom time. Forte e experiente – decretou.
Após a partida, as atletas voltaram para Cabo Frio e mantiveram o clima de descontração que foi a marca da estadia laranja. Minutos antes da entrevista, as meninas cantavam um sonoro “Lang zal ze leven” – o “parabéns pra você” em holandês. Já com as risadas contidas, Ailly falou sobre a chance de repetir a cantoria, mas dessa vez entoando grito de “é campeão!”:

– Nós somos o segundo melhor time do mundo, hoje, mas tem dias que vamos jogar como o melhor e tem dias que vamos jogar abaixo disso. O importante é que nos sentimos muito preparadas para enfrentar esse desafio e vamos dar o nosso melhor. Todos que entram na competição querem medalha, então nos cabe trabalhar para isso – ela disse.

* Matéria completa na edição desta quarta (3) da Folha