Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
orelhões

Uso maciço de celulares faz orelhões caírem em desuso

Popularização da telefonia móvel reduz cada vez mais o uso dos aparelhos em Cabo Frio

17 julho 2016 - 09h52Por Rodrigo Branco
Uso maciço de celulares faz orelhões caírem em desuso

Outrora bastante requisitados, muitas vezes com filas enormes de gente esperando para usá-los, os telefones públicos são atualmente peças do mobiliário urbano praticamente ignoradas pela população.

Com a popularização da telefonia móvel e consequentemente dos aplicativos de mensagens instantâneas, como o WhatsApp, para celulares e smartphones, os orelhões deixaram de ser fundamentais para quem está na rua e precisa falar com alguém.

Sabendo disso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já anunciou que pretende reduzir em mais de 50% cerca de 950 mil telefones públicos do país. Na verdade, as próprias empresas de telefonia têm diminuído gradativamente a oferta, deixando de consertar os aparelhos defeituosos ou simplesmente os desativando.

Em Cabo Frio, por exemplo, a tarefa de encontrar um orelhão é inglória. Quem, por alguma razão, não tem como ligar do celular tem ter paciência e disposição para encontrar um aparelho para falar. Foi o que aconteceu recentemente com a estudante de Física Brenda Miranda, de 21 anos. Sem créditos e internet no celular, ela tentou recorrer a hoje quase obsoleta forma de comunicação. Em vão, pois não achou qualquer aparelho disponível.

Só resolveu o problema ligando da casa vizinha, que tem wifi.

– Tenho o costume de colocar créditos via aplicativo de celular. Essa coisa de comprar coisas em banca não me caem bem. No caso dos orelhões, é importante nós termos acesso a telefones públicos, mesmo que o mundo hoje esteja girando em função da tecnologia portátil – argumenta.

O ator e músico Ravi Arrabal Heluy é outro que usa o telefone público apenas eventualmente. Independentemente da polêmica da necessidade dos orelhões em tempos de celular, o artista questiona a qualidade do serviço prestado pela operadora. – Só preciso quando meu celular acaba a bateria e eu posso ligar a cobrar. Mas sobre a extinção dos orelhões, depende da relação custo-benefício. Onera o setor público? Traz custo de manutenção desnecessário? Tem que avaliar isso. A única coisa que gostaria que a Oi fizesse, de verdade, é prestar um serviço decente, compatível com o preço caro que cobra – reclama.

* Confira matéria completa na edição impressa deste fim de semana da Folha dos Lagos.