Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
UPA

Upa de São Pedro vira caso de polícia

Pai alega que filha não recebeu atendimento e recorre à PM

13 janeiro 2015 - 10h22Por Rosana Rodrigues|Foto: Arquivo Folha
 Upa de São Pedro vira caso de polícia

O atendimento restrito a crianças na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Pedro da Aldeia virou caso de polícia na cidade. Ao chegar na noite de domingo (11) à unidade com a filha, de seis anos, que sofre de convulsão e utiliza medicamentos controlados, um empresário do município, que preferiu não se identificar, informou à equipe da Folha dos Lagos que o atendimento à criança teria sido recusado pela atendente da unidade.

Segundo ele, uma pessoa responsável pela direção reiterou a orientação da atendente e informou que, como a criança não estaria com febre, não poderia receber socorro, já que o atendimento a menores estaria direcionado somente a casos graves. Quando percebeu que sua filha não seria atendida, o pai chamou imediatamente a polícia.

– Os policiais foram muito prestativos. No entanto, nem eles conseguiram viabilizar o atendimento – afirmou o responsável.

O pai ainda argumentou que a criança havia tomado antitérmico e que, assim que passasse o efeito do remédio, a febre voltaria. Nem mesmo com tantos pedidos, o responsável conseguiu que sua filha passasse pela avaliação médica da pediatra.

Com tantas recusas, o empresário se dirigiu à UPA de Cabo Frio, cujo atendimento demorou somente cindo minutos e o especialista da unidade diagnosticou com infecção na garganta.

– Um caso simples que poderia ser resolvido lá mesmo, sem qualquer transtorno. Eu não posso comprar estes remédios sem prescrição médica, sem a avaliação de uma especialista. É um absurdo esta omissão de socorro. Aliás, é um crime – disse o pai.

– Estes casos lamentáveis só ocorrem porque muitos funcionários agem por conta própria, sem qualquer comunicação, de fato, às esferas superiores e, ainda contam com a vulnerabilidade dos pacientes. Tive que me locomover com

O empresário afirmou que teve que se deslocar cerca de 15 quilômetros para chegar à unidade da cidade vizinha.

– A minha filha estava debilitada e a locomoção nesta época de alta temporada é muito difícil, além o transporte demorar pelo menos o dobro do tempo do que o normal quando a região não está abarrotada de gente – observou.

Plantonista faltou, diz coordenação

Em nota enviada à Folha dos Lagos, a coordenação da unidade de Pronto Atendimento de São Pedro da Aldeia informou que dois médicos pediatras estavam escalados para o plantão da noite de domingo. No entanto, um médico não compareceu, sem justificativas. 

A coordenação da UPA afirmou ainda que todos os pacientes que procuraram a unidade foram acolhidos e passaram pela classificação de risco, com prioridade de atendimento aos casos mais graves. Entre 19h até 7h, a unidade atendeu 55 crianças.

Ainda de acordo com a nota,  desde 2009 a Secretaria de Estado de Saúde instituiu o ponto biométrico para monitorar a falta de funcionários nos plantões de hospitais e UPAs da rede estadual, o que tem reduzido o número de faltas.

Quando o sistema começou a ser implantado havia registro de até 45% de faltosos. Hoje, a média é de 12% nas UPAs e 0,5% nos hospitais da rede estadual.