Assine Já
terça, 28 de setembro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51480 Óbitos: 2097
Confirmados Óbitos
Araruama 12222 438
Armação dos Búzios 6365 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14367 844
Iguaba Grande 5407 140
São Pedro da Aldeia 6899 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
doenças

UPA de Cabo Frio registra aumento de 40% nos casos de pacientes com doenças de inverno

Atitudes simples e facilmente adequadas ao dia a dia podem prevenir os desconfortos típicos da estação

02 julho 2014 - 18h12
UPA de Cabo Frio registra aumento de 40% nos casos de pacientes com doenças de inverno

A temperatura começa a dar sinais de que o inverno chegou e junto com ele uma série de doenças, que geralmente aumenta a sinfonia de espirros e o consumo de lenços de papel, mas que também pode trazer complicações bem mais graves. O clima seco e mudanças bruscas de temperatura colaboram para que enfermidades como gripes, resfriados, amidalite e dor de ouvido se espalhem rapidamente. Porém, para algumas pessoas, além desses vilões, é preciso enfrentar outras manifestações que se agravam durante o inverno. É o caso da asma, pneumonia, bronquite, rinite e sinusite.

Segundo a diretora da UPA do Parque Burle, Alexandra Codeço, desde o início do inverno, em 21 de junho, aumentaram em 40% as ocorrências de doenças como, alergias, gripes e resfriados.

- Se forem tratadas corretamente, essas doenças não têm maior gravidade, embora tragam grande desconforto – diz Codeço.

De acordo com a pediatra Gabriela Magalhães, que coordena a pediatria da unidade de saúde, a hipersensibilidade do organismo a algumas substâncias desencadeia reações alérgicas como, por exemplo, os intermináveis espirros e coceira na região nasal. A poeira, ácaros, fungos, pelos de animais, além da fumaça de cigarro são alguns dos agentes irritantes mais comuns.

As doenças de inverno mais corriqueiras são as que atingem a garganta e o aparelho respiratório. Seus alvos preferidos são as vias respiratórias superiores (o nariz), a garganta, os ouvidos e os pulmões. Em geral, secreções amareladas ou muito espessas, febre alta, dores fortes na cabeça ou no peito e dificuldades respiratórias indicam a necessidades de tratamento de emergência, muitas vezes com hospitalização. Ainda segundo a médica a “culpa” da proliferação das doenças de inverno não é só frio. Mudanças de hábito decorrentes dele também favorecem os problemas respiratórios.

– Geralmente, no inverno, as pessoas bebem bem menos líquido, porque não sentem sede porque transpiram muito menos, mas o organismo segue precisando da mesma quantidade de água, importante para controlar a circulação sanguínea, composição das células, músculos e respiração – explica a médica.

A hidratação também é importante para manter as mucosas úmidas e auxiliar na barreira que elas criam contra os micro-organismos. Para ajudar nisso, vale também usar soro fisiológico nos olhos e no nariz. E não adianta compensar a falta de água no banho. Os banhos não devem ser muito prolongados (mais de 20 minutos) e a temperatura deve variar entre os 29° a 37°. Por melhor que possam parecer os banhos escaldantes, eles causam o ressecamento da pele por eliminar, com a ajuda do uso de sabonetes, uma camada protetora e superficial da pele rica em gordura, que serve como proteção. E isso, aliás, serve para o ano inteiro.

A doutora Gabriela Magalhães faz outro alerta:

– Outro hábito nada saudável, é que as pessoas tendem a ficar dentro de casa se "escondendo do frio" com portas e janelas fechadas. Pior ainda é se enfurnar em locais públicos fechados, como shoppings, cinemas, etc. Se isso for inevitável, passe o menor tempo possível e, em ônibus, por exemplo, tente abrir pelo menos uma fresta da janela. Em casa, aproveite os dias ensolarados para abrir bem as janelas e pôr as cobertas no sol, alerta.  
Por fim, o último conselho: a automedicação é perigosa. Analgésicos, antialérgico, descongestionante, antitérmicos e até vitamina C não devem ser tomados sem prescrição médica, pois além do risco de efeitos colaterais, é possível que você seja alérgico a algum componente ou ainda, que este remédio mascare algum sintoma que dificulte o diagnóstico real da doença. Segundo a Organização Mundial de Saúde, 23% das internações hospitalares no Brasil estão relacionadas ao mau uso de medicamentos. No mundo, essa taxa é de 10% - o que já é considerado bem alto. 

 – Por isso, antes de dar aquele grito no escritório dizendo “alguém aí tem um remédio para dor de cabeça?”, lembre-se dos perigos que isso pode oferecer – finaliza a médica

A fim de evitar situações críticas durante o inverno a especialista deixa 10 dicas que podem ajudá-lo a conviver melhor com o frio e os problemas respiratórios:

1 - Mantenha as roupas de cama limpas especialmente os cobertores que costumam ser morada de ácaros;

2 - Retire o pó da mobília e limpe o chão com pano úmido, evitando o levantamento de poeira;

3 - Aproveite os dias ensolarados para arejar a casa. O sol e o ar evitam que vírus e bactérias se proliferem;

4 - Evite o contato com a fumaça do cigarro;

5 - Use soro fisiológico nas regiões dos olhos e narinas, a fim de lubrificar a mucosa e evitar irritação; 

6 - Evite aglomerações de pessoas em lugares fechados e pouco arejados;

7 - Lave as mãos constantemente para evitar que vírus e bactérias se alojem nessa região;

8 - Beba muito líquido, mas evite as bebidas alcoólicas. Água e sucos são importantes para controlar a circulação sanguínea, composição das células, músculos e respiração;

9 - Não use carpetes e cortinas no quarto de pessoas alérgicas, pois eles favorecem o aparecimento de ácaros;

10 - O meio mais efetivo para evitar as doenças do inverno são as vacinas. A antigripal confere imunidade por cerca de um ano e a vacina contra pneumonia pode proteger por cinco anos. No caso dos idosos, a vacina antigripal é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e distribuída gratuitamente nos postos de saúde.