Assine Já
quinta, 09 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 304 Confirmados: 3297 Óbitos: 192
Suspeitos: 304 Confirmados: 3297 Óbitos: 192
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 528 19
Saquarema 7 528 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
guarda municipal

Uma guarda cheia de problemas

Banheiro sem porta, armários enferrujados, camas quebradas e mais tantos outros problemas tiram servidores do sério

02 dezembro 2014 - 22h27Por Gabriel Tinoco
Uma guarda cheia de problemas

Depois de ganhar uma moção de aplausos, concedida pelo vereador Vanderlei Bento (PSDB), a Guarda Municipal não tem o que comemorar em Cabo Frio. A categoria reclama do abandono do poder público e pede melhorias nas condições de trabalho. A infraestrutura da sede do órgão é o principal alvo das críticas dos servidores. Banheiros sem papel higiênico, falta de água, portas quebradas e vasos sanitários sem tampa são alguns dos transtornos enfrentados pelos guardas diariamente.

De acordo com o presidente da Associação dos Guardas Municipais, João Elias de Brito, a situação só piora a cada dia que passa.

– Nós, guardas, sofremos um descaso. A situação está cada vez pior. Nosso salário reduziu em quase R$ 1000 depois que o prefeito mudou o nosso efetivo. Continuamos trabalhando 160 horas mensais como qualquer trabalhador e o salário diminuiu drasticamente. Isso é um absurdo. Além disso, nossa infraestrutura está em condições precárias. Esperamos por mudanças nessa situação. Para que a população esteja insatisfeita com o trabalho da guarda, é necessário que todo mundo saiba em quais condições estamos trabalhando – disse o presidente.

As reivindicações passam pela falta de treinamentos e vão até a identificação dos guardas. De acordo com o guarda Joel Pires, a instituição faz cursos por conta própria para se preparar para o trabalho.

– Não temos nem como nos identificar. Se falarmos com qualquer pessoa, não podemos nem provar que somos guardas municipais. Ou seja, como podemos cumprir o nosso papel sem as ferramentas necessárias? Precisamos de um contracheque até para nos identificar. Então, devemos parabenizar todos os guardas que estão nas ruas. São trabalhadores que fazem cursos para se preparar para o cotidiano. Não fizemos um treinamento desde 2010. Todas essas questões se aliam à falta de estrutura.

Em denúncia à Folha dos Lagos, guardas municipais reclamaram da falta de um caminhão reboque. O automóvel continua sem regularização para circular. Além disso, a categoria cobra a contratação somente de guardas municipais para trabalhar.


– Chega o verão e contratam um monte de pessoas para trabalhar e que nem guardas municipais são. Isso é um absurdo.

O cumprimento da Lei nº 13.022/2014, sancionada pela presidente Dilma Rousseff (PT), também está entre as exigências da classe. Para Joel Pires, ainda haverá muita demora para que o Governo Municipal se adeque às novas regras.

– Não temos um treinamento básico de Guarda Municipal. Não vamos receber uma preparação para usar armas de fogo. A Lei nº 13.022/2014 confere uso de armas de fogo para os guardas. Mas não podemos esperar mais.