Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Um multimedalhista que saiu do IFF de Cabo Frio

Ex-aluno se destaca em olimpíadas de matemática

12 junho 2019 - 09h24
Um multimedalhista que saiu do IFF de Cabo Frio

FERNANDA CARRIÇO

 

Aos 18 anos, Francisco Abreu Victer,  ex-aluno do Instituto Federal Fluminense (IFF) de Cabo Frio,  multiplica com o talento para os números as condecorações em sua prateleira. Ontem, no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, recebeu a a medalha de prata da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) de 2018. Ela se soma à prata na Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas (OBFEP), um ouro na Olimpíada de Matemática Canguru e pata nacional na Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras, da França. 

– Recebi hoje [ontem] medalha de prata na OBMEP, que é a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas. Recentemente, a olimpíada, que é a maior prova da América Latina, com mais de 18 milhões de alunos participantes pelo Brasil inteiro, e que passou a ser aplicada também nas escolas privadas. A prova é dividida em três níveis de complexidade, dois para o Ensino Fundamental e um para o Ensino Médio, no qual participei nesses últimos três anos. Nesse nível, são distribuídas cerca de 14000 menções honrosas, 1500 medalhas de bronze, 500 medalhas de prata e 100 medalhas de ouro  – conta Francisco. 

As participações dele já começaram vitoriosas. No primeiro ano, recebeu uma menção honrosa. No segundo, medalha de bronze.

– E, agora, recebo uma medalha de prata, ficando a 23 colocações de receber uma medalha de ouro – conta ele, que ressalta que nunca foi de virar a noite para estudar: 

– Prefiro qualidade à quantidade. 

Francisco ainda dá dicas para quem quer se aventurar em provas desse nível. 

– Existem excelentes ferramentas de ensino pela internet e, como o que a prova exige é majoritariamente lógica, o estudo formal não é tão importante. Se preocupem menos com o quanto vocês estudam e mais com o quão produtivo está sendo esse meio de estudar. 

Filho do ex-secretário Estadual de Educação e também ex-presidente da Cedae, Wagner Victer, morador de São Pedro da Aldeia desde que tinha um aninho apenas, Francisco   passou para uma das mais concorridas universidades públicas do país e está cursando o primeiro período de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

– Como pai e ex- secretário Estadual de Educação que sempre acreditou no ensino público de qualidade, fico muito satisfeito com o desempenho dele e de outros jovens da nossa rede estadual.  As Olimpíadas do conhecimento existentes no país têm sido fundamentais para descobrir e desenvolver talentos – afirmou Wagner Victer, que atualmente é diretor geral da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). 

Assim como o pai, o medalhista reconhece a satisfação em ter o conhecimento.

– É uma excelente experiência para um estudante de Ensino Médio participar desse circuito de medalhas. Há um sentimento de retorno e autossatisfação que é difícil de se encontrar em outros espaços da escola. 

E se engana quem pensa que Francisco gosta apenas das disciplinas de exatas.

– Gosto bastante dessas disciplinas, mas, ao contrário do estereótipo, também adoro História e Filosofia – finaliza.