Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8374 Óbitos: 431
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Diálogo dos Pênis

Um diálogo bem humorado

Marcos Wainberg, estrela da peça “Diálogo dos Pênis”, fala sobre sua carreira e espetáculo

16 janeiro 2016 - 11h53
Um diálogo bem humorado

O cenário simples (a mesa de um boteco), ganha ares de palácio diante da grandeza do texto de Carlos Eduardo Novaes e da interpretação de Roberto Lopes e Marcos Wainberg. Não à toa, o diálogo entre dois amigos chega ao 15º ano de sucesso pelos palcos do país. A fórmula? Várias, mas certamente a interatividade com o público é um dos pontos fortes. Em cartaz neste sábado, às 21h30, no centro de convenções do Hotel Green Hotéis, na Vila Nova, em Cabo Frio, o ‘Diálogo dos Pênis’ promete ser a grande atração do fim de semana para quem quer gargalhar. E assinante da Folha tem 50% de desconto. Em visita à redação do jornal, ontem, o ator Marcos Wainberg, que está na peça há 15 anos, afirmou que não consegue “encontrar texto melhor que esse”.

Folha dos Lagos – Quinze anos em cartaz... o que te fez se apaixonar por este projeto no teatro?
Marcos Wainberg –
Poucas vezes contei isso: quando me convidaram para fazer o espetáculo, ele já estava há dois meses em cartaz, e por algum motivo o ator [Hélio Ribeiro] que fazia o personagem que faço teve um problema de coração e não podia continuar. A peça havia sido criada para ele e o Roberto Frota. Eu fui assistir e não gostei, achei muito puro, ingênuo, falava de bunda, dos desejos masculinos, não sei, não fez minha cabeça. Só que eu estava com três amigos: minha mulher, uma amiga nossa e o Gilberto, que também é ator. E os três riam, riam muito, o tempo inteiro e eu ficava olhando o espetáculo: não era ruim, mas não me fazia rir. Não queria fazer o espetáculo. Mas os três me encheram a paciência, dizendo que eu tinha que fazer, que era a minha cara e acabei fazendo. Fiz muitas mudanças, fui inserindo piadas, fui moldando e me encaixando.

Folha – E nesse período muita coisa mudou, política, economia, cultura....vocês também foram adaptando o diálogo sobre o universo feminino?

Marcos – Cheguei aqui e dei de cara com três mulheres na redação, de repente começou a aparecer homem. Você vai numa secretaria, delegacia, ministério, e hoje quem está mandando é a mulher. A gente sempre respeitou muito a mulher, o espetáculo fala sobre mulher, com muito humor, respeito, mas principalmente com muito amor. É claro que tem piada machista e muita mulher fica puta, mas por termos dois personagens diametralmente opostos, enquanto um ataca outro defende. E aí inverte também, de uma maneira tão absurda que em vários momentos meu personagem é aplaudido, mas em outros, e este é o momento principal para saber se o público está acompanhando é uma vaia enorme que meu personagem leva.

Folha – Por quê?

Marcos – Aí não posso contar, tem que ir conferir (risos). O público fica puto com meu personagem. É uma vaia violenta.

Folha – Imagino que seja por alguma questão machista...
Marcos – Não. É uma razão da relação dos dois. O espetáculo conta a história de dois grandes amigos, dois extremos que se atraíram. Eles só têm um segredo na vida de um, que é revelado nessa conversa. É aí que acontece o gancho do espetáculo e que vem a vaia.

O ESPETÁCULO
Diálogo dos Pênis
Centro Convenções Hotel Green Hotéis
(Av. Teixeira e Souza, em frente ao Princesa)
Hoje e 30/01 – 21h (Classif.: 16 anos)
Ingresso: R$ 70 (Info: 2645-6890)

*Leia entrevista completa na edição impressa da Folha dos Lagos deste sábado