Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
SEM PROTEÇÃO, SEM TRILHA!

Trilha do Mirante da Cabocla é evitada por guias turísticos em Arraial por insegurança

Polícia Militar diz que ações pontuais são realizadas rotineiramente com o objetivo de reprimir os criminosos

20 fevereiro 2021 - 09h30Por Julian Viana
Trilha do Mirante da Cabocla é evitada por guias turísticos em Arraial por insegurança

Não bastassem as limitações impostas pela pandemia, a violência também tem desafinado o turismo em Arraial do Cabo. Considerada uma das mais bonitas da cidade, a trilha da Mirante da Cabocla passou a ser evitada por guias turísticos. De acordo com os profissionais, o local serve de rota de fuga de traficantes. A Trilha do Mirante da Cabocla dá acesso à Praia do Forno através de uma travessia que começa na Prainha. Foi nela que, em 2018, a turista catarinense Fabiane Fernandes foi encontrada morta – o caso que teve repercussão nacional e ainda é investigado. Em nota, a Polícia Militar afirma que ações pontuais são realizadas rotineiramente com o objetivo de reprimir os criminosos na área de atuação do batalhão.

 – A Polícia tem atuado bastante no Morro da Cabocla, e isso é muito bom. Mas acontece que toda a vez que tem alguma operação os traficantes fogem dos agentes entrando nas matas da trilha. Eles conhecem o local de cabo a rabo. Por motivos de precaução, achei mais pudente não fazer mais esta trilha com os meus clientes. Segurança em primeiro lugar – conta um trilheiro, sob anonimato. 

Ele ainda relembra que já se deparou com um criminoso armando. Foi quando decidiu não fazer mais a trilha. 

– Uma vez, enquanto estava guiando um grupo de pessoas, encontrei um traficante, que estava armado. Imediatamente pedi para que ele escondesse a arma, e assim ele fez. Graças a Deus os meus clientes não viram a cena. Um outro dia, estava tendo uma operação no morro ao lado da trilha. Fiquei bastante preocupado e apreensivo com o que poderia encontrar – relembra o guia.

O guia lembra que a frequência na trilha vem diminuindo desde a morte da turista Fabiane Fernandes.

 – É muito complicado de se fazer trilha no local. Também já encontrei pessoas armadas, e os meus clientes não perceberam nada porque também cheguei a pedir para que a arma fosse escondida. Se eles tivessem reparado a arma, o desespero iria tomar conta de todos. A gente não pode colocar a nossa vida como guia e a do turista em risco. A polícia tem feito um trabalho na cidade, mas sempre que tem uma operação, os traficantes se escondem no meio da mata – conta o guia. 

A situação também desperta medo aos amantes das práticas esportivas, que utilizavam o local para as atividades físicas.

 – Sou morador do município há 43 anos e amante das atividades de trilhas e corridas de aventura, mas, infelizmente, um dos pontos mais bonitos da cidade, que é a vista da Praia do Forno, teve o acesso limitado por causa do medo provocado pelo tráfico na área. É visível a insegurança no local. Precisamos ter o nosso Arraial como era há 20 anos, sem essa invasão das drogas e violência como consequência – desabafa um morador. 

Para um outro amante da prática esportiva, a invasão das drogas e a violência como consequência não combinam com a paz que a população tinha ao correr ou caminhar pela trilha da Cabocla. 

– É aterrorizante saber que, em uma c i d a d e tão pequena e de transbordante paz, pessoas são mortas e impedidas de fazer um passeio pelo quintal de casa. Lembro-me das vezes que passamos com os amigos dando força um pro outro para não desistir, e continuar a caminhada que a vista valeria a pena. Hoje, alertamos os que não conhecem ou que já ouviram sobre o caminho que evitem e que interrompam o destino – desabafa o atleta. 

Os trilheiros e guias enfatizam que é necessária a presença de um guia na hora de se fazer uma trilha. Eles ainda alegam que infelizmente algumas empresas turísticas continuam fazendo a trilha do Mirante da Cabocla mesmo sabendo de como está a situação no local.

– Muitos acabam visando o dinheiro, mas esse não é a fator mais importante. São vidas que estão em jogo – afirma um dos guias credenciados. 

Policiamento reforçado – Em nota, a PM sustenta que as operações têm surtido efeito. “O resultado dessa estratégia apresentou a redução de índices de criminalidade importantes. De acordo com dados reunidos pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), na região do 25ºBPM, no período de janeiro a dezembro de 2020, em comparação ao mesmo período de 2019, houve queda em diversas modalidades criminosas como 53.1% no roubo a transeunte, 31.1% no roubo a estabelecimento comercial e 40.3% no total de roubo”, diz um trecho da nota da Polícia Militar enviada à Folha. A Polícia Militar ressalta que é de suma importância que a população colabore realizando denúncias através do Disque-Denúncia 2253- 1177 ou, para casos urgentes, através da Central 190. 

Já a Delegacia de Polícia de Arraial do Cabo (132ª DP) infirmou que o Núcleo de Homicídios e Combate ao Tráfico de Drogas da unidade vem atuando de forma constante e firme, conduzindo dezenas de investigações sobre o tráfico de drogas na cidade, inclusive na área do Morro da Cabocla. Várias dessas investigações já foram finalizadas e enviadas ao Ministério Público e à Justiça com representações por prisões preventivas e temporárias.
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.