Assine Já
quarta, 28 de julho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46056 Óbitos: 1864
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12562 754
Iguaba Grande 4756 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Transformação verde: aldeense planta árvores em antiga área de lixão no Baixo Grande

Maurício Rodrigues já conseguiu revitalizar outros pontos da cidade, nos bairros São José, Bela Vista e Parque Estoril

10 julho 2021 - 07h00Por Redação
Transformação verde: aldeense planta árvores em antiga área de lixão no Baixo Grande

As mãos de Maurício Rodrigues revolvem a terra com cuidado, para receber mais uma muda de árvore no lugar onde antes só havia resíduos plásticos, latas e materiais inservíveis. Ele trabalha tranquilamente, alheio ao vaivém frenético de veículos, alguns metros acima, já que o jardim plantado pelo profissional autônomo de 31 anos fica aos pés de um barranco localizado na rodovia RJ-140, no Bairro Baixo Grande, próximo do limite entre os municípios de São Pedro da Aldeia e Cabo Frio. 

Com dedicação e paciência, Maurício usa o tempo livre para começar a transformar a área que fica próxima à Escola Municipal Maria Celeste de Campos, antes um ‘lixão’, em um jardim onde brevemente as famílias da localidade poderão frequentar. Ele comenta que recebe da Secretaria Municipal de Agricultura a maioria das doações das mudas. De moradores e amigos, ele recebe o material, como os pneus velhos, usados como canteiros sustentáveis.

Desta forma, já conseguiu revitalizar outros pontos da cidade nos bairros São José, Bela Vista e Parque Estoril.
Maurício explica que a razão para o trabalho na encosta da pista é também de segurança, e não apenas ambiental e paisagístico.

– Aqui na descida do Baixo Grande, o pessoal começou a jogar lixo desde que começou a ter pista. A Prefeitura, quando vinha jogar o lixo, tirava um pouco do barranco da pista. Então a gente teve essa ideia, para evitar que a pista ceda. A gente também fala muito que é para conscientizar as pessoas que a gente pode reciclar o lixo, descartar da forma certa. Pode cuidar do nosso bairro e não precisa depender 100% da Prefeitura. A gente pode fazer um pouquinho pela nossa cidade – explica o autônomo.

A inspiração para o trabalho vem do período em que Maurício viveu em Curitiba, capital paranaense, que é referência mundial em sustentabilidade ambiental. Do Sul, veio a ideia de arborizar áreas degradadas com coqueiros, palmeiras-imperiais, palmeiras garrafinhas e arbustos. No Baixo Grande, ele prepara um corredor de ipês, onde os frequentadores poderão passar por uma espécie de ‘tapete de flores’. 

Não bastasse a importância para a comunidade, o trabalho também tem ares de ‘higiene mental’ para Maurício, que relata muitas vezes não ver a hora passar enquanto se dedica ao plantio e a arrumação dos seus jardins. 
– Faço para distrair um pouco da mente. É uma terapia, ainda mais num tempo que a gente vive hoje, com Covid, com tudo. Muita depressão, então a gente distrai um pouquinho a mente também – relata.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.