Assine Já
quinta, 28 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
32ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22908 Óbitos: 767
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2989 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6139 264
Iguaba Grande 2043 50
São Pedro da Aldeia 3225 107
Saquarema 2294 117
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

​Tabelas de basquete reaparecem, mas mistério continua

Equipamentos trazidos de Rio das Ostras estão danificados; antigos gestores se eximem de responsabilidade

12 agosto 2019 - 19h18Por Rodrigo Branco I Foto: reprodução internet
​Tabelas de basquete reaparecem, mas mistério continua

Parte de um mistério que durava, pelo menos, três anos chegou ao fim. O município de Cabo Frio conseguiu localizar e trazer de volta duas tabelas de basquete oficiais que foram retiradas do Ginásio Poliesportivo João Augusto Teixeira Silva, em Tamoios, ainda na gestão do ex-prefeito Alair Corrêa. O problema é que as estruturas, consideradas de primeira linha e usadas nas principais competições da modalidade no mundo, estão completamente deterioradas e sem condições de uso no momento. 


O material, que custou R$ 76 mil aos cofres cabofrienses na época da compra, em agosto de 2012, estava abandonado no Parque da Cidade de Rio das Ostras, para onde foi emprestado por conta da realização de Jogos Estudantis na cidade. As tabelas estão armazenadas na Morada do Samba até que sejam feitos os reparos necessários. 


Ontem, a Prefeitura de Cabo Frio informou que as tabelas de basquete foram emprestadas em 2014 e foram abandonadas lá pela gestão da época. Segundo a prefeitura, o atual secretário de Esportes, Flávio Rebel, tenta recuperar as peças desde que assumiu, mas que só agora conseguiu juntar a documentação necessária para provar que as tabelas pertencem à Cabo Frio.  A prefeitura confirmou ainda que os equipamentos passarão por manutenção e serão devolvidos ao ginásio de Tamoios.


A dúvida que persiste é quem liberou o empréstimo e por que não trouxe os equipamentos de volta ao fim da competição. A Folha entrou em contato com os responsáveis pelo esporte no município na gestão de Alair, mas todos se eximiram da responsabilidade e ‘passaram a bola adiante’. Responsável pela pasta em 2014, Alfredo Gonçalves disse que o empréstimo foi feito dois anos depois, na gestão do sucessor Walcir Alegre, e que as tabelas foram cedidas pelo então coordenador de esportes de Tamoios, Carlinhos Carrilho.
– A total responsabilidade desse empréstimo é do senhor Carrilho de Tamoios, que tinha total autonomia de gestão, principalmente no ginásio – disse Alfredo.


Procurado, Carlinhos Carrilho negou a versão e disse que ordem veio ‘de cima’, ou seja, de Walcir Alegre. O antigo coordenador disse ainda que as tabelas já estavam danificadas antes mesmo de ele ficar responsável pelo ginásio, nos últimos meses da gestão Alair, o que chamou de ‘mandato-tampão’.


– Ele [Walcir] mandou um ofício para nossa administração. Eu era o coordenador provisório e acabei ficando a pedido do Alair, já que o tráfico tinha danificado o ginásio. As cestas já estavam danificadas e nunca foram usadas nos oito meses que eu fiquei lá. Fico feliz que tenham trazido de volta, pois teve um boato que eu tinha vendido essas cestas. Se eu tivesse vendido não tinham recuperado de volta, não é? – disse Carrilho.
Questionado sobre o assunto, Walcir Alegre também disse que Carrilho foi o responsável por emprestar as estruturas, que possuem aro retrátil, motor hidráulico e são feitas de acrílico. 


– O que eu autorizei foi fazer a competição do ginásio de Tamoios. Ele [Carrilho] quem resolveu direto. Tinha autonomia para fazer isso. Se o ginásio não tinha condições, eles que negassem o evento. Como ele emprestou, ele que tinha que resolver – rebateu Walcir, que garante ter passado a questão para a gestão seguinte, já no governo Marquinho Mendes, em 2017.


O secretário Flavio Rebel evitou entrar em polêmica. Ele demonstrou satisfação em trazer as tabelas de volta e disse que cumpriu uma obrigação. Segundo ele, desde janeiro, as tabelas haviam sido localizadas em Rio das Ostras, mas que houve um grande esforço para provar a propriedade do material e negociar com o município riostrense para trazê-lo de volta.


– Não sei o que aconteceu, mas era o meu dever ir lá buscá-la. É um patrimônio do município – disse Rebel.
O procurador-geral de Cabo Frio, Bruno Aragutti, disse que está fora de Cabo Frio e que somente na semana que vem vai se informar sobre o assunto e tomar uma decisão sobre como vai agir.