Assine Já
quarta, 04 de agosto de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46659 Óbitos: 1894
Confirmados Óbitos
Araruama 11510 362
Armação dos Búzios 5522 58
Arraial do Cabo 1591 88
Cabo Frio 12723 768
Iguaba Grande 4824 117
São Pedro da Aldeia 6240 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

‘Superdesconto’ em passeio de barco causa polêmica em Arraial

Dono de agência reduz preço em 75% para protestar contra ‘ação de atravessadores’

03 julho 2019 - 11h09
‘Superdesconto’ em passeio de barco causa polêmica em Arraial

Um protesto inusitado chamou a atenção de quem trabalha com passeio de barcos e do público em geral, ontem, em Arraial do Cabo. O dono de uma agência que fica em frente à Praça Daniel Barreto, conhecida como Praça do Cova, reduziu em cerca de 75% o valor do passeio, passando dos habituais R$ 80 para R$ 19,90. Uma placa na porta do estabelecimento informava que a brusca queda no preço foi uma forma de criticar a atuação de pessoas que vendem passeios marítimos no meio da rua. O aviso chega a fazer referência a um artigo do Código de Trânsito que impede a permanência de pessoas no meio da rua. Os dizeres mencionam ainda os termos ‘concorrência desleal’, ‘desordem’ e ‘abordagem imprópria aos turistas’.

O letreiro ficou apenas até a hora do almoço, mas causou grande alvoroço, inclusive nas redes sociais, inclusive em uma postagem no perfil da Folha no Instagram (@folhadoslagos). A medida irritou um grupo que trabalha com vendas de passeio de barcos e ameaçou retirar a placa na marra, mas não foi necessário. De acordo com o dono da agência, Eloy Arruda, não houve aumento de clientes com a redução do preço, que ele classificou como uma medida apenas ‘simbólica’. Eloy alegou que a gota d’água para tomar a iniciativa foi o fato de atravessadores terem oferecido o passeio a menos da metade do preço a um grupo de 12 turistas que já haviam fechado com ele.

Eloy disse que ‘uma minoria’ ligada à associação da Praia dos Anjos faz a abordagem aos clientes em frente da sua loja, enquanto o combinado seria entre o Restaurante Saint Tropez e toda a extensão do calçadão. Sem criticar a atual gestão municipal, o empresário afirma que o problema vem de longa data e cobrou a implantação do Bilhete único, aprovado pela Câmara em novembro de 2017.

– Eu não quero prejudicar ninguém. Só quero o ordenamento do espaço público. Quem está estabelecido, paga impostos e gera emprego tem que ser protegido, mas o que eu vejo é o contrário. Quem faz barulho fica na frente. A prefeitura tem se empenhado para resolver isso, mas está muito devagar. Quem se dedicou ao seu negócio não vai aguentar e vai quebrar – desabafou.

Nem todo mundo concorda com o ponto de vista do empresário. Segundo o professor Marcelo Amaral, que também trabalha com passeios, não há ação predatória dos que atuam nas proximidades da Praça do Cova. 

–Uma coisa que posso te afirmar: as pessoas que vendem na imediação da loja dele não são atravessadores e sim marinheiros, mestres e donos de embarcações. Isso é fato, eu conheço.  Agora, que ao longo da cidade está cheio de atravessadores, isso é verdade. E geralmente são fomentados pelas grandes embarcações, que tem bastante vagas disponíveis, diferentemente dos que trabalham com turismo de base comunitária que só podem levar 24 – observa Marcelo.

Na mesma linha que Marcelo, o presidente da Associação dos Barqueiros Tradicionais Extrativistas das Praias de Arraial do Cabo (Abetepac), Cristiano Pimentel, disse que a abordagem aos clientes nas ruas é feita tradicionalmente há muitos anos por se tratar de barqueiros comunitários que não dispõem da estrutura de grandes agências que se associam com hotéis e outros estabelecimentos até de fora da cidade. 

Por outro lado, Pimentel admite que alguns vendedores abordam clientes em frente à agência de Eloy, mas que esses são ‘casos isolados’ e os responsáveis são punidos pelas regras da associação. Ele afirma que pretende dialogar com o empresário para resolver a situação.

– A gente quer organizar, só não quer ser ´prejudicado. A única forma de trabalhar os barcos na nossa associação é vendendo na rua. É um trabalho diferente, de base comunitária, mais tradicional, é uma venda mais antiga, diferente dessas empresas maiores que tem trabalho de internet e vendas em vários pontos. É importante falar da reserva para o menor, para o extrativista. É importante falar porque senão fica um pouco atrás. A gente quer fazer a situação melhorar, não temos nada contra o Eloy. Vamos marcar reunião para chegar num acordo – finaliza Pimentel.

A reportagem tentou contato com o secretário de Turismo, Olavo Carvalho, mas ele não atendeu nem retornou as chamadas até o fechamento 
desta edição.