Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
bancos

Sumiço de bancos da orla da praia gera mistério em Cabo Frio

Testemunhas alegam bancos teriam sido removidos pela Prefeitura, que nega

01 dezembro 2016 - 00h35Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Sumiço de bancos da orla da praia gera mistério em Cabo Frio

 Em meio à recente onda de sumiço de patrimônios públicos na cidade, o caso dos bancos da orla da Praia do Forte intriga especialmente os cabofrienses, sobretudo pela quantidade de peças levadas: 12 em um inter­valo de 50 metros, entre a Rua Francisco Mendes e a Avenida Nilo Peçanha. A partir daí, as versões para o desaparecimento dos assentos são divergentes.

Uma fonte ligada à Prefeitura, que preferiu o anonimato, afir­mou que os bancos foram retira­dos por funcionários da Comser­caf que os teriam levado para um local desconhecido. Contudo, o diretor da autarquia, Alexandre Sant’Anna negou a informação.

– Se tivesse sido retirado por nós estaria no nosso pátio (que fica em São Cristóvão), o que não aconteceu – alega.

Não é o que afirmam funcio­nários de estabelecimentos que funcionam na orla. De acordo com um deles, que preferiu não se identificar, um dos bancos foi retirado ‘por homens da Prefei­tura’ há alguns dias, no fim da tarde. Segundo o funcionário ou­vido pela reportagem, a retirada foi feita para reparos, uma vez que as peças estariam parcial­mente danificadas pela ação de moradores de rua ou de pessoas que praticam ginástica no local.

– Como roubariam tantos bancos, mesmo de madrugada, sem ninguém perceber? – ques­tionou o rapaz.

Seja como for, a Prefeitura tratou de descartar qualquer ser­viço de reparo. Em nota, a ad­ministração municipal informou que após ser comunicada ‘dos furtos e danos ao patrimônio pú­blico’ tomou providência junto à polícia e aguarda a apuração e solução do caso. A Prefeitura disse ainda que foi registrado um boletim de ocorrência foi feito e que está colaborando com as investigações.

Praça do Cova – Em Arraial do Cabo, o dilema é outro: saber o paradeiro das pedras portugue­sas retiradas das obras de revita­lização da Praça Daniel Barreto, popularmente conhecida como Praça do Cova, cuja reinaugura­ção está prevista para 16 de de­zembro.

Procurado, o secretário de Obras do município, Adiel Al­meida, afirmou desconhecer o destino do material. O secretário levantou a hipótese de que parte das pedras tenham sido destruí­das, mas disse que a questão de um eventual reaproveitamento ficaria a cargo da secretaria de Serviços Públicos.

No entanto, nem o responsá­vel pela pasta, Francisco de As­sis, nem a Prefeitura de Arraial retornaram à reportagem até o fechamento desta edição.