Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53491 Óbitos: 2186
Confirmados Óbitos
Araruama 12497 447
Armação dos Búzios 6580 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15408 901
Iguaba Grande 5564 147
São Pedro da Aldeia 7047 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
NADA MUDA

STF mantém fatias de royalties do petróleo para o Estado do Rio e municípios fluminenses

Decisão beneficia cidades como Cabo Frio, Macaé e Rio das Ostras

24 outubro 2021 - 19h29Por Redação

Após um conflito federativo de mais de 15 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) finalmente deu ganho de causa aos estados do Rio de Janeiro e Bahia numa ação cível em que o Espírito Santo tentava redefinir as participações de royalties relativos à exploração de poços petrolíferos marítimos. O prazo do julgamento em plenário começou no último dia 15, com a apresentação do relatório da ministra Rosa Weber, e terminou no fim da noite de sexta-feira (22), com os votos dos outros nove ministros já computados no sistema do STF. Todos os ministros entenderam que não cabe o aumento da fatia ao Espírito Santo em detrimento dos outros dois estados interessados. 

A alegação do Estado do Espírito Santo era de que os limites territoriais da sua área de influência sobre a plataforma continental não tinham sido traçados de forma adequada pelo IBGE, que é o órgão responsável legalmente por fazer essa delimitações espaciais. Segundo essa tese, teria ocorrido uma suposta omissão do instituto quando não considerou, como “ponto apropriado” para o cálculo, uma saliência na altura da Foz do Rio Doce (município capixaba de Linhares). A ministra Rosa Weber discordou, alegando que o IBGE tem “discricionariedade técnica, não cabendo ao Judiciário interferir nos critérios adotados”. 

“Concluo pela improcedência dos pedidos (...) não houve vícios na realização da perícia”, afirmou Rosa Weber em sua decisão, referindo-se a uma perícia autorizada pelo Supremo Tribunal Federal no ano de 2011.  

Não é por acaso que a ACO 834 (ação cível originária) tinha 16 municípios fluminenses como partes interessadas no processo, além de outras cidades baianas. A vitória representa, na prática, o fim de uma ameaça que poderia significar perdas nas arrecadações desses royalties superiores a 40% em alguns casos, de acordo com estimativas não oficiais de algumas prefeituras. Entre os prejudicados, estariam Campos dos Goytacazes, Carapebus, Casimiro de Abreu, Macaé, Rio das Ostras, Quissamã, São João da Barra, Duque de Caxias, Cabo Frio e Rio de Janeiro. 

“Essa decisão é uma ótima notícia pra gente que está unido a favor da recuperação do interior e das finanças do nosso estado, às voltas tentando lidar com os efeitos da pandemia e de anos de abandono. Precisamos brigar por cada tostão, por cada recurso, por cada hectare de terra para agricultura e por cada royalty que é de direito da nossa população. Precisamos investir na melhoria das condições de vida, e esses recursos são imprescindíveis”, disse a deputada federal e membro da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados Clarissa Garotinho (PROS/RJ).

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.