Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

​Sociólogo presta queixa contra comentário homofóbico na página da Prefeitura de Cabo Frio

Homem comentou que ‘estava liberada a caça por snipers’ em postagem sobre Parada LGBT

09 setembro 2019 - 19h33Por Rodrigo Branco
​Sociólogo presta queixa contra comentário homofóbico na página da Prefeitura de Cabo Frio

O sociólogo Márcio Paixão, de 30 anos, prestou queixa ontem na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), no Centro do Rio, contra um homem que fez comentário considerado homofóbico em postagem na página da Prefeitura de Cabo Frio sobre a Parada LGBT, realizada na Praia do Forte, no último domingo.


O comentário, depois apagado em função da repercussão negativa, dizia que “a caça estava liberada para os ‘snipers’ (atiradores de elite da polícia)” durante o evento promovido pelo Grupo Iguais, de Cabo Frio, com apoio da Superintendência Municipal LGBT. Márcio adiantou ainda que vai entrar, em breve, com um processo contra o autor do comentário, baseado na recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de criminalizar a homofobia, colocando a prática no mesmo patamar do racismo.


– Quero tornar essa ação pública como um instrumento político, para que a sociedade revisite seus preconceitos tendo consciência de que suas ações podem sim sofrer penalizações jurídicas – disse o cabofriense Márcio, que faz mestrado em Sociologia e Antropologia na UFRJ e, portanto, mora no Rio. 


O sociólogo admite que a sua atitude isoladamente não vai resolver o problema da homofobia, mas disse que não poderia abrir mão de tomar alguma atitude. 


– É óbvio que tenho consciência que esse é um problema estrutural que precisa de uma série de outras ações institucionais para sanar esse problema; como uma educação que inclua as questões de identidade de gênero nas salas de aula, por exemplo. Mas não posso abrir mão dos instrumentos jurídicos para resguardar a mim e a todo grupo LGBTQI+. Eles existem e são fruto de muita luta e resistência. Por isso fui à delegacia de crimes raciais e intolerância – disse.


Pelo Facebook, o presidente do Grupo Iguais, Rodolpho Campbell, repudiou o episódio e disse que vai hoje de manhã na delegacia de Cabo Frio (126ª DP), para registrar um boletim de ocorrência em relação aos comentários ofensivos feitos sobre a Parada LGBT.
– Esse comentário foi muito pesado. Ridículo.  Isso não pode ficar impune de maneira nenhuma – disse o presidente do Grupo Iguais de Cabo Frio.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.