Assine Já
segunda, 18 de outubro de 2021
Região dos Lagos
21ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
PATRIMÔNIO

Sinos do antigo convento, em Cabo Frio, serão retirados para restauração

Medida do Museu de Arte Religiosa e Tradicional visa a manter a integridade dos bens culturais centenários

09 janeiro 2020 - 19h26Por Redação
Sinos do antigo convento, em Cabo Frio, serão retirados para restauração

Os três sinos que compõem o campanário do antigo Convento Franciscano de Nossa Senhora dos Anjos serão temporariamente removidos de seu local de origem. A medida coordenada pelo Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Mart/Ibram) está programada para acontecer nos dias 20, 21 e 22 de janeiro de 2020, entre as 08 e as 18 horas. “Em nosso trabalho regular de conservação, que envolve o monitoramento da integridade dos bens expostos à ação do tempo, detectamos o desgaste na estrutura de sustentação dos sinos. Portanto, a medida possui o caráter preventivo, para assegurar a integridade desses bens culturais”, explica a Profa. Dra. Carla Renata Antunes de Souza Gomes, Diretora do Mart/Ibram.

O processo de retirada dos sinos será executado por um dos maiores especialistas no assunto no Brasil, o sineiro Manoel Cosme dos Santos, ou Manoel dos Sinos, como é nacionalmente conhecido entre os estudiosos da arte sacra. No seu currículo estão trabalhos realizados para o Santuário Nacional de N. S. Aparecida (SP), o Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro (RJ), a Catedral de Petrópolis (RJ) e a Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé (RJ), apenas para citar alguns. O trabalho, complexo, contará com a experiência de Manoel dos Sinos e sua equipe e envolverá a proteção da fachada do antigo Convento e do alpendre, o destelhamento do campanário para o içamento dos sinos maiores e o transporte dos três sinos retirados para o interior do Museu, além do diagnóstico do estado de conservação das peças que auxiliará a construção do projeto de restauração.

Por estarem na área externa do edifício - expostos aos ventos, às chuvas e à umidade –, com o tempo, houve a corrosão das peças metálicas que fixam os sinos nas coroas de madeira. Em 2017, com vistas a proteger os dois sinos maiores que adornam os vãos do campanário, o Mart/Ibram providenciou um escoramento provisório, seguindo a orientação do Escritório Técnico da Região dos Lagos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Mas, segundo a museóloga Aline Cadaxo, responsável pelo acervo, os danos nos sinos se intensificaram nos últimos anos, exigindo a medida extrema da retirada com vistas a sua recuperação. Impacto semelhante, provocado pela ação do tempo e das condições climáticas, foi observado pelo arquiteto responsável pela adaptação das ruínas do Convento para o Museu no final da década de 1960. Em relato, o arquiteto Edgard Jacintho da Silva falou dos constantes ventos da região que carregavam fragmentos que funcionaram como um abrasivo nas paredes do Convento e contribuíram para que o monumento se tornasse ruína na primeira metade do século XX. 

A diretora Carla Renata explica que o objetivo do Museu de Arte Religiosa e Tradicional é realizar a intervenção de restauro dos sinos para sua realocação no campanário. Porém, a complexidade do processo exige que ele seja fracionado em várias etapas, por envolver peças cujo peso individual pode chegar a uma tonelada. Nesse primeiro momento, após a retirada dos sinos do seu lugar de origem, eles ficarão resguardados no Museu, em local adequado orientado pelos técnicos Iphan, e poderão ser visitados de perto pelo público. Esta também será a oportunidade para a obtenção de informações sobre os objetos, visto que muitos sinos trazem o nome do responsável e a data da fabricação registrados em sua estrutura. No campanário, o seu acesso era difícil e impossibilitava os pesquisadores identificarem a existência de dados.

Os sinos integram a estrutura do antigo Convento de Cabo Frio, preservada como patrimônio nacional pelo Iphan, em 1957. O Convento de N. S. dos Anjos começou a ser construído em 1686 e as atividades religiosas dos frades franciscanos no local iniciaram em 13 de janeiro de 1696. Com a criação do Museu de Arte Religiosa e Tradicional, em 1968, por meio de convênio com a Arquidiocese de Niterói, o Governo Federal assumiu a gestão do espaço com enfoque na sua preservação e difusão. O acordo com a Mitra de Niterói, proprietária do imóvel, foi renovado com o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), órgão do Ministério do Turismo responsável pelo Museu de Arte Religiosa e Tradicional, em agosto de 2019, com a intermediação da Paróquia de Nossa Senhora da Assunção. Entre as competências, assumidas pelo Ibram no documento, estão a manutenção do edifício e do acervo sob sua cautela. A ação para a preservação dos três sinos do antigo Convento corresponde às exigências do acordo com a Arquidiocese e representa a execução prática da implementação do planejamento de gestão de riscos pelo Museu em consonância com as determinações nacionais e internacionais de proteção ao patrimônio.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.