segunda, 04 de março de 2024
segunda, 04 de março de 2024
Cabo Frio
29°C
Park Lagos mobile
assembleia

Sindicatos fazem assembleia nesta quarta (16) para definir posição sobre salários atrasados

Presidente do Sindicaf critica Marquinho por dizer que acordos 'não são prioridade'

15 agosto 2017 - 12h18Por Rodrigo Branco | Divulgação
Sindicatos fazem assembleia nesta quarta (16) para definir posição sobre salários atrasados

A relação entre o funcionalismo e o governo municipal deteriora-se a cada dia. O presidente do Sindicato dos Servidores de Cabo Frio (Sindicaf), Olney Vianna, criticou ontem as declarações do prefeito Marquinho Mendes (PMDB) de que o pagamento do acordo referente aos salários atrasados pela gestão passada ‘não são prioridade’.

Está marcada para esta quarta-feira (16), às 18 horas, uma assembleia extraordinária envolvendo Sindicaf, Sindicato da Saúde (Saúde) e Associação dos Fiscais Municipais (AFM), na escola municipal de São Cristóvão. Em pauta, um posicionamento da categoria quanto ao descumprimento do acordo e à irregularidade no calendário de pagamento mensal. Este mês, por exemplo, o salário foi depositado quatro dias depois do que é exigido pela legislação (quinto dia útil).

– A gente espera que o prefeito considere prioridade (o acordo) porque é verba alimentícia. Não é só o salário do mês, é uma dívida do município. Ele próprio reconhece essa dívida, tanto é que assinou os acordos. Não entendo como assinar um acordo e declarar que não é prioridade – criticou Olney.

Conforme a Folha noticiou na semana passada, os sindicatos, em conjunto com o vereador Rafael Peçanha (PDT) vão entrar com uma ação no Ministério Público para questionar a quebra no acordo de reparcelamento, assinado em junho passado. De acordo com o presidente do Sindicaf, o advogado da entidade já prepara o documento.

Em outra frente, os servidores aguardam a manifestação da Justiça de Cabo Frio com relação à falta de pagamento das parcelas restantes do acordo referente aos salários da gestão passado. O principal questionamento é sobre a contratação de empresas terceirizadas no valor de mais de R$ 22 milhões desde 30 de junho.