Assine Já
quinta, 28 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
32ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22908 Óbitos: 767
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2989 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6139 264
Iguaba Grande 2043 50
São Pedro da Aldeia 3225 107
Saquarema 2294 117
Últimas notícias sobre a COVID-19
CABO FRIO

Sindicatos criticam pacote de medidas do governo

Servidores planejam pressionar Câmara para revogar decreto de Adriano

04 novembro 2019 - 20h04Por Rodrigo Branco
Sindicatos criticam pacote de medidas do governo

O mais duro conjunto de medidas de austeridade desde o começo do governo Adriano Moreno (DEM), o decreto nº 6.107, publicado na última sexta-feira, causou uma impressão muito ruim junto ao funcionalismo municipal, em especial, às entidades de representação da classe. Embora os sindicatos ainda não tenham assumido uma posição oficial, o que vai acontecer apenas depois do debate jurídico sobre o decreto, dirigentes sindicais ouvidos pela Folha criticaram duramente a política de cortes de despesas, que vai incidir diretamente em direitos das categoria, como licenças-prêmio e horas-extras, entre outros.

Durante o fim de semana, o anúncio dos cortes foi mal recebido pelos servidores, que apelidaram o pacote de ‘Decreto da Maldade 3’, em alusão a pacotes de austeridade semelhantes ao atual, publicados nas últimas gestões de Alair Corrêa e Marquinho Mendes. Uma reunião entre integrantes dos sindicatos dos servidores (Sindicaf) e de profissionais da Saúde (SindSaúde) estava marcada para a noite de ontem para avaliar o decreto ponto a ponto.

Não está descartada uma mobilização, já a partir de hoje na Câmara Municipal, para pressionar os vereadores a revogarem, pelo menos em parte, o decreto do governo. O presidente do Sindsaúde, Gelcimar Almeida, o Mazinho, frisou que as dificuldades dos servidores com relação se arrastam há, no mínimo, quatro anos.

– Quando se fala em suspender direitos já é uma péssima notícia. São direitos essenciais e vantagens inerentes ao servidor público, e isso traz um transtorno muito grande para uma categoria que sofre desde 2015. Entendo que o decreto é inconstitucional. A gente vai avaliar e espera que a Câmara, exerça o seu poder, e anule, pelo menos em parte, esse decreto – disse Mazinho.

Apesar de demonstrar cautela e aguardar o resultado da análise jurídica, o diretor de imprensa do Sindicaf, Olney Vianna, confirmou que a recepção dos servidores ao pacote foi ‘muito ruim’. Ele lembra que as revisões salariais e até mesmo o plano de cargos e salários (PCCR) e outros direitos adquiridos ficam comprometidos com a intenção do governo de não aumentar os gastos com a folha, que atualmente consome 60% da receita do município.

– A gente encara como um absurdo porque um decreto não pode sobrepor uma lei – disse.

Para a coordenadora-geral do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), Cíntia Machado, a edição do decreto pode significar um retrocesso na negociação da já extensa pauta de reivindicações da categoria.

Cíntia diz que vê a suspensão de direitos com preocupação, tendo em vista o cenário estadual e federal.

– O sindicato tem preocupação com retrocesso e vê que as medidas tomadas pelos governos federal e estadual podem atingir os municípios. Já tem estado e município revendo direito a licença-prêmio e outros direitos conquistados podem ser retirados – avalia.

Decreto reduz despesas com quadro de pessoal e de custeio

O decreto nº 6.107, editado na última sexta, estabelece medidas de contenção de despesas e de ajuste fiscal, no âmbito do Poder Executivo. Segundo a prefeitura, o decreto não vale para as áreas de Saúde, Educação ou de serviços considerados essenciais.

 Entre as medidas anunciadas, estão redução de celebração de aditivos em contratos e convênios; reavaliação das licitações em curso que ainda não tenham sidos homologadas; análise sobre gastos com material de consumo, de expediente e de informática; e a análise sobre gastos com pessoal. Mesmo as despesas de água, energia elétrica, telefone e combustíveis serão reduzidas. 

Está suspensa a concessão de licenças-prêmio e para a realização de curso de mestrado e doutorado, salvo algumas exceções. As horas-extras também não serão permitidas, a não ser em casos excepcionais. Ficam proibidos aumento de despesas, por meio de contratação de pessoal, concessão de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração e reestruturação e a revisão de planos de cargos, carreiras e subsídios. Casos excepcionais serão analisadas pelo prefeito e por comissões internas de servidores.

A justificativa para o aperto de cinto é o rombo de R$ 26 milhões, em relação ao que o município deixou de arrecadar no quatro bimestre deste ano e a folha inchada, que já consome 60% da receita corrente líquida. O limite da Lei de Responsabilidade Fiscal é de 54%.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.