Assine Já
domingo, 20 de junho de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 43349 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5211 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11551 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
táxi

Sindicato dos Taxistas quer regulamentação do Uber

Líder da categoria também vê com bons olhos a proibição

06 janeiro 2017 - 19h43
Sindicato dos Taxistas quer regulamentação do Uber

Após a apresentação do projeto de lei que proíbe o Uber em Cabo Frio, o presidente do SindTáxi da cidade, Josemario Moreira, quer levar o debate ao âmbito federal. Em março, ele viajará à Brasília para propor aos parlamentares o projeto de lei 5578, que regulamenta o aplicativo. O sindicalista quer que a empresa atue com os mesmos impostos dos taxistas.

Josemario já conversou com deputados no último dia oito de novembro.

– Alguns juízes e desembargadores dão liminares. Mas a competência de transporte dos passageiros é do Município. O PL 5587 pede a regulamentação do Uber para pagar imposto a nível Municipal, Estadual e Federal. O aplicativo deverá ser regulamentado para trabalhar a nível do taxímetro, não da tarifa que a empresa determina – explica.

O presidente do sindicato, no entanto, elogiou o projeto de lei proposto pelo vereador Vanderlei Bento (PMB).

– Queremos que seja proibido um carro particular fazendo o serviço do táxi. Esse projeto nos deu um alívio – completa.

Mas o advogado Peter Samerson acredita que a lei seja inconstitucional. De acordo com ele, o Uber não configura como serviço público.

–  É inconstitucional. Só quem pode legislar sobre esse assunto é a União. Não cabe ao Município. Não é uma relação trabalhista. É referente ao direito do consumidor. De um lado existe o consumidor, do outro o motorista. O Código de Defesa do Consumidor fala que é direito básico do consumidor ter de escolha na contratação do serviço. O Uber é um transporte individual, não configura como serviço público. Por isso, não caberia ao município legislar sobre o assunto – analisa o jurista.