Assine Já
sexta, 05 de março de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27159 Óbitos: 934
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Sinais apagados representam perigo nas ruas de Cabo Frio

Semáforos estão com problemas há mais de um mês

02 junho 2017 - 08h27
Sinais apagados representam perigo nas ruas de Cabo Frio

Além dos buracos que teimam em voltar a cada chuva forte, as ruas de Cabo Frio apresentam um desafio adicional para os motoristas. Dois dos pontos de maior tráfego na cida­de estão com problemas nos semá­foros há, pelo menos, um mês. Um deles fica na Praça Porto Rocha, na pista sentido Centro, o que tem obri­gado os pedestres a apertar o passo quando os motoristas ignoram a faixa e aceleram os veículos. Para os mais idosos, acaba sendo um esforço extra. Para piorar, em não há guardas muni­cipais orientando o trânsito.

– Nem todos os motoristas têm educação para respeitar os idosos. A gente fica numa situação difícil porque não tem mais perna para correr. Então tem que depender da educação do povo – diz Vera Salda­nha, de 75 anos.

A situação no local fica ainda mais complicada por causa de um ponto de ônibus situado nas proxi­midades. Quando os coletivos pa­ram, os pedestres são obrigados a esticar o pescoço para se certificar de que nenhum carro está passando. Há quem espere mais de um minuto até conseguir a oportunidade ideal para atravessar a via.

– Eu não moro aqui, mas me in­comoda muito esse fato. Ainda mais na idade em que a gente está, fica na­quela angústia do carro vir, do ônibus parar. É realmente um incômodo. Às vezes, um que ameaça parar e não para. É uma coisa complicada – afir­ma Eliéser Mendes, de 70 anos.

Em São Cristóvão, o problema está no cruzamento da movimenta­da Avenida Lecy Gomes da Costa com a Rua Expedicionário da Pá­tria. Nesse caso, redobrar a atenção não é força de expressão, afinal os semáforos das duas pistas estão com defeito há mais de trinta dias. O taxista Jorge Ribeiro trabalha em frente à praça e já presenciou alguns acidentes e vários sustos. Ele pede o conserto dos equipamento e a insta­lação de quebra-molas no local.

– Toda hora tem problema com moto, com bicicleta e com pedes­tre. Então precisamos imediata­mente consertar os sinais, porque são prioridade. Quando tem sinal, já tem problema, sem sinal é um caos – comenta.

Em pouco mais de vinte minutos que a reportagem permaneceu no local, quase testemunhou duas bati­das. Por sorte, talvez, os incidentes resumiram-se a buzinadas e xinga­mentos. A cena é corriqueira, quan­do não há o respeito das regras de preferência ou, no mínimo, a ação consensual dos motoristas.

– Vira e mexe (os sinais) estão com problema. Quando não é um, é outro. Dou uma parada, olho para um lado, para o outro, vejo se está vindo carro do lado contrário e vou devagar. É a forma de tentar resolver – explica a microempresária Fabíola Colnago, que acabava de estacionar o carro.

Na espécie de ‘roleta-russa’ em que se transformam as ruas nessas condi­ções, os ciclistas acabam tornando-se ainda mais vulneráveis. Eldo Vieira Guimarães confirma o receio e pede mais ciclovias e ciclofaixas na cidade.

– Esse cruzamento é perigoso. Uns até param no sinal, mas os outros só passam correndo. Até pra moto mes­mo é perigoso, porque levar uma ‘chapuletada’ é complicado. Esses sinais são todos velhos, estão caindo aos pedaços. Eu ando pela beirada e com muito cuidado – alerta.

Em nota, a Prefeitura informa que instaurou processo licitatório para contratação de empresa para manu­tenção de todos os 74 semáforos ins­talados na cidade. A previsão é de que o início da prestação do serviço ocor­ra em cerca de dois meses. Enquanto isso, servidores da Prefeitura estão realizando a manutenção de forma emergencial. Os semáforos citados já passaram por manutenção e volta­ram a ter problemas. Uma equipe irá percorrer estes locais para colocá-los novamente em funcionamento.