Assine Já
terça, 24 de novembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
Silas

Silas Bento se diz contra ‘maldades’ de Pezão

Em entrevista, deputado estadual fala sobre situação política do Rio e de Cabo Frio

20 fevereiro 2017 - 19h30
Silas Bento se diz contra ‘maldades’ de Pezão

O deputado estadual Silas Bento (PSDB), que estava na suplência, assumiu o mandato em janeiro e, agora, tenta construir caminho de oposição na Assembleia Legislativa (Alerj). Ele critica o que chama de “pacote de maldade” do governador Luiz Fernando Pezão e garante voto contrário a todas as medidas. Silas diz  que é cedo para avaliar o governo do prefeito Marquinho Mendes (PMDB), mas acaba desfiando uma série de críticas, sem se esquecer de criticar a fala do mandatário que acabou virando bordão de oposicionistas:  “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Folha –  Como tem sido estes primeiros dias de mandato?

Silas – Apesar do pouco tempo, posso afirmar que estão sendo particularmente positivos.

Folha – Como analisa o pacote do governador Pezão?

Silas –  Este projeto vem contra os anseios da sociedade, além de prejudicar diretamente o servidor público. Como parlamentar de primeiro mandato, chego na Alerj no segundo tempo, um momento tenso e complicado. Há dificuldades para difundir, de maneira positiva, as realizações dos trabalhos do mandato enquanto não forem concluídas as votações do pacote da venda da Cedae.

Folha –  Algum acordo para votação em conjunto com Janio Mendes, também de Cabo Frio?

Silas – Somos de siglas diferentes. Silas Bento é do PSDB, oposição; Jânio Mendes é do PDT, partido que vem acompanhando o governo PMDB nas votações nesse parlamento.

Folha –  Qual será sua posição em cada votação deste pacote?

Silas – Atualmente, no cotidiano dos debates na Alerj, muito se discute sobre as questões de como foram elaborados esses projetos e da forma como querem que sejam aprovados. Após uma profunda análise sobre os mesmos, com autoridades técnicas e a voz do povo, posicionar-me- ei em prol da sociedade votando a favor do povo.

Folha – Seu voto é pessoal ou segue a orientação do PSDB?

Silas – Posso afirmar que meus princípios norteadores da vida, a confiabilidade nas minhas decisões e minha fé no todo poderoso, decidiram meu voto. Meu voto é pessoal, nominal e intransferível, mas quero deixar registrado que o PSDB me deixou à vontade.   

Folha –  Qual  a saída para a crise no Estado do Rio?

Silas – Apesar da pergunta ser objetiva, a resposta demanda análises em diversas esferas do governo. Inicialmente de plano, faria a convocação de todos os representantes dos Poderes e das instituições representativas de classe. Em seguida, buscaria a opinião pública. A população não é responsável pela crise econômica, moral e ética instalada no Estado, e, por isso não pode, sofrer qualquer tipo de redução em seus direitos. Buscaria sempre as medidas a favor do trabalhador, fazendo política de incentivo de arrecadação de impostos e não taxando cada vez mais o povo. Por fim, aplicaria uma política de austeridade no Estado e faria redução dos gastos públicos.

Folha –  Marquinho Mendes?

Silas – É prematuro fazer uma avaliação do mandato dele. Existem motivos que me conduzem a uma resposta madura, de não falar nada fora do tempo. No entanto, posso e devo lembrar superficialmente sobre suas promessas de campanha que até a presente data não foram cumpridas. No pleito eleitoral usava como bandeira a Política de austeridade (corte de gastos), a transparência do governo (Portal da Transparência),  o pagamento em dia dos funcionários, a limpeza da cidade, a reabertura de hospitais e não fechamento de hospitais e escolas municipais. Mas o que vemos é uma  política de contratos emergenciais superfaturados e da “ farinha pouca, meu pirão primeiro”, proclamado no discurso de posse.