Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
sifilis

Sífilis em grávidas cai 74%

Até o momento 16 foram diagnosticadas com a doença contra 61 no ano passado 

02 junho 2015 - 09h09

Nicia Carvalho

Ao contrário do que acontece no estado do Rio, a sífilis em gestantes recua em Cabo Frio. Na comparação com o ano passado, a queda da doença na cidade é de 74%, com 16 diagnósticos em 2014 contra 16 deste ano. Na capital, a taxa de incidência triplicou de 2009 a 2013 e entre os motivos a resistência a tratamentos por parte dos maridos.

Em Cabo Frio, a secretaria de Saúde mantém programa específico para tratamentos e tanto o protocolo de atendimento quanto o teste rápido pode ser feito no Hospital Dia, em São Cristóvão, diariamente, ou nos postos de saúde. A consulta, no entanto, é agendada e realizada por um profissional ‘volante’.

A pasta informou ainda que todas as gestantes fazem o teste no Hospital Municipal da Mulher (HMM), no Braga, antes do nascimento do bebê e que o exame também faz parte da triagem pré-natal. Em 2014, foram diagnosticados três casos de sífilis genital primária, quatro latente (quando não é especificada se latente ou tardia) e 36 congênitas. Este ano, teve queda em quase todas as categorias, sendo quatro primárias, duas latentes 16 em gestantes, nove congênitas e uma secundária da pele e das mucosas.

No Rio, taxa em bebês dobra

Em 2009, a taxa de incidência da doença no estado era de cinco casos a cada mil gestantes. Quatro anos depois, no entanto, o registro subiu para 15 por mil. No mesmo período, o índice de bebês que nasceram com a doença subiu de seis a cada mil para 12 por mil. A taxa em bebês do Estado do Rio é a maior do Brasil, já que a média nacional em 2012 ficou em dois por mil. Os dados são do Boletim Epidemiológico e Ambiental e do Boletim Epidemiológico DST/Aids e Hepatites Virais, da secretaria estadual de saúde.

Segundo especialistas, a doença é provocada por bactéria, sendo preocupante sobretudo porque, se a mulher não receber o cuidado adequado durante a gestação, o feto também adoece. Dados do Ministério da Saúde mostram que há aborto espontâneo ou morte perinatal em cerca de 40% das crianças infectadas por mães não tratadas. Outro risco é o de o bebê nascer com má-formação física. Normalmente, o tratamento da criança com sífilis dura duas semanas e ela deve permanecer internada.

Formas de contágio, tratamento

De acordo com especialistas, a sífilis é curável nos primeiros estágios. Única injeção intramuscular de penicilina trata a pessoa infectada com sífilis há menos de um ano. Para pessoas com a doença há mais de um ano são necessárias doses adicionais. Quem tem alergia à penicilina, o tratamento é feito com antibióticos. O tratamento mata a bactéria da sífilis e preveni danos futuros, porém não repara os já causados.

Pessoas que recebem tratamento para sífilis devem abster-se de contato sexual até que as feridas estejam completamente saradas. Indivíduos com sífilis devem avisar seus parceiros sexuais para que eles possam ser testados e receber tratamento se necessário. Ter sífilis uma vez não protege a pessoa de sofrer a doença de novo.