Assine Já
quinta, 25 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26207 Óbitos: 900
Confirmados Óbitos
Araruama 6686 181
Armação dos Búzios 3181 32
Arraial do Cabo 844 37
Cabo Frio 7163 342
Iguaba Grande 2472 54
São Pedro da Aldeia 3486 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Setor de hotelaria da Região dos Lagos otimista com Réveillon

Cabo Frio e Arraial do Cabo estimam 95% de ocupação neste fim de ano

17 dezembro 2015 - 09h38Por Nicia Carvalho

Pelo menos para a hotelaria de duas das principais cidades turísticas da Região dos Lagos, o Ano Novo será, no mínimo, igual ao que passou. É o que es­timam associações do segmen­to em Cabo Frio e Arraial do Cabo. Elase esperam ocupação de 95% para as festas de fim de ano, mesmo índice alcançado no ano passado. Em ambas, as re­servas estão quase todas esgota­das, apesar da crise nacional que afeta o país este ano. Na melhor projeção, 2015 pode superar a última temporada.

– Mesmo com crise, as pesso­as se programam para viajar, es­pecialmente nesta época. A de­manda está muito alta e acredito que os hotéis ficarão lotados, mas o levantamento oficial só sai na semana que vem – anteci­pou Carlos Cunha, presidente da Associação de Hotéis de Cabo Frio (AHCF).

De acordo com Cunha, as projeções para janeiro também são positivas e a expectativa é de que o desempenho de 2014 se repita. A ocupação deve oscilar entre 80% a 90% para a primeira quinzena. Carlos explicou ain­da que, para o restante do mês, as reservas ainda estão tímidas, mas que a tendência é aumentar após o Ano Novo. Segundo ele, o otimismo se justifica porque a hotelaria registrou 85% de ocu­pação média, com pico de 95% nos fins de semana, no ano pas­sado. Para ele, isso deve se re­petir este ano, já os hotéis não repassaram os reajustes de água e luz feitos pelo governo federal para os valores das tarifas.

– A medida foi uma forma de atrair o cliente. Então, a ocupa­ção será a mesma, apesar do lu­cro menor – completou.

Em Arraial, o otimismo tam­bém bate à porta e se reflete in­clusive no número de leitos ofer­tados: este ano pulou de 1.500 para 3.500.

– Quase não temos leitos li­vres para o fim de ano e também para janeiro. A procura está mui­to boa, e alguns hoteleiros não tem vagas. Mesmo aumentando a quantidade de leitos, a procura também cresceu – explicou Mar­co Simas, secretário de Turismo.