Assine Já
quinta, 06 de agosto de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
14ºmin
Mercado Tropical
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 4727 Óbitos: 275
Confirmados Óbitos
Araruama 816 49
Armação dos Búzios 357 9
Arraial do Cabo 120 12
Cabo Frio 1541 93
Iguaba Grande 334 23
São Pedro da Aldeia 740 39
Saquarema 819 50
Últimas notícias sobre a COVID-19
Categoria

Servidores realizam ato em frente à Secretaria de Educação de Cabo Frio

Categoria fez nova paralisação de 24 horas e se mantém em estado de greve

25 novembro 2015 - 09h57

Depois de alguns dias de tré­gua, os servidores da Educação de Cabo Frio voltaram a pres­sionar o governo municipal, on­tem, desta vez em frente à sede da secretaria, no Centro. O ato reuniu dezenas de funcionários públicos que, mais uma vez rei­vindicaram a adoção de um ca­lendário unificado de pagamen­to, enquanto a prefeitura acenou com a quitação dos salários ape­nas na terceira semana do mês seguinte ao trabalhado.

A pauta é ainda mais extensa e inclui o pagamento do vale-transporte, atrasado há quatro meses; a reinclusão do adicional de insalubridade; enquadramen­to por formação; liberação das aposentadorias e das licenças-prêmio; entre outros pontos.

Enquanto os profissionais da Educação protestavam mais uma vez, as escolas da rede municipal ficaram de portas fechadas pelo nono dia desde que a pauta de reivindicações foi estabelecida.

    

    Foto: Rodrigo Branco/Folha dos Lagos

Apesar disso, de acordo com a diretora de imprensa do Sindica­to dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe-La­gos), Denise Teixeira, o apoio dos pais dos alunos à causa está sendo irrestrito. Ela criticou al­guns veículos de imprensa que, segundo ela, abordam o assunto de forma ‘tendenciosa’.

– Uma rádio fez uma enque­te entre os pais dos alunos, bem tendenciosa diga-se de passa­gem, mas tivemos o apoio total deles para o nosso movimento – disparou Denise, que rechaçou as críticas de setores ligados ao governo que acusam o movi­mento de ‘político’.

Em tom duro, a sindicalista novamente enfatizou que o go­verno, até o momento, não abriu negociações com a categoria.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (25)