Assine Já
quinta, 26 de novembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11737 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1060 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Salários

Servidores públicos de Cabo Frio ocupam a prefeitura do município

Salários atrasados motivam manifestação no prédio do Executivo

10 dezembro 2015 - 09h42

Servidores públicos de Cabo Frio ocuparam, mais uma vez, o prédio da Prefeitura, na manhã de ontem. O motivo é o atraso no pagamento do salários dos profissionais, que por lei deveria ter sido depositado até o quinto dia útil deste mês. Este é o ter­ceiro atraso seguido. O objetivo dos manifestantes era conseguir audiência com o prefeito Alair Corrêa (PP) para terem um po­sicionamento sobre o atraso nos salários e demais reivindicações. No entanto, até o fechamento desta edição os profissionais não haviam sido recebidos.

– Nosso movimento é pacífi­co, não teve quebra-quebra, mas precisamos saber até quando vai essa situação. Queremos nossos direitos de volta – explicou Gel­cimar Almeida, o Mazinho, que é presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde.

Por conta da ocupação, a ci­dade ficou sem agentes da Guar­da Municipal e a população foi impedida de entrar no prédio da Prefeitura. De acordo com Ol­ney Vianna, presidente do Sindi­cato dos Servidores Públicos de Cabo Frio (Sindicaf), o protesto é uma resposta à atitude do pre­feito, que insiste em não nego­ciar com os trabalhadores.

– Ele trata os servidores como ‘moleques’, vai à imprensa fazer pronunciamento, mas não nego­cia com a gente – disparou.

Segundo ele, cerca de 100 pessoas, entre fiscais, guardas municipais e agentes de saúde, ocuparam o segundo andar e a frente do prédio do Executivo.

Protestos – Esta é a quarta vez que a prefeitura é ocupada por manifestantes em protesto a várias medidas adotadas este ano pela atual administração, em especial referente aos constantes atrasos em pagamentos diversos.

Em agosto, foi a vez do seg­mento cultural, capitaneado pela rapper Taz Mureb, que promoveu um acampamento em frente à Prefeitura por conta do atraso no repasse de verbas do Pro­grama Municipal de Editais de Fomento e Difusão Cultural, o Proedi. O movimento, intitulado #OcupaPrefeitura, durou 13 dias e acabou com os manifestantes na delegacia, após um tumultuo entre policiais militares e eles, depois que a polícia tentou re­colher uma piscina plástica que simbolizava o parque aquático do prefeito Alair Corrêa, o Riala.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (10)