Assine Já
terça, 26 de outubro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

​Servidores da Educação decidem por fim de paralisação

No entanto, assembleia definiu que fica mantido o estado de greve

19 julho 2019 - 10h53
​Servidores da Educação decidem por fim de paralisação

Os servidores da Educação de Cabo Frio decidiram ontem, em assembleia realizada na escola São Cristóvão, encerrar a greve da categoria que durava desde o último dia 6. De acordo com a coordenadora do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), Cíntia Machado, a decisão atende a uma nova estratégia do movimento.

– Nós avaliamos que há necessidade de retornar às escolas para dialogar com alguns colegas, pois está havendo muita desinformação. As informações estão vindo truncadas por parte da Seme (Secretaria de Educação). Ficando só na luta, a gente perde o diálogo com a comunidade escolar. A gente precisa conversar com o pai de aluno para explicar que tem servidores de outras secretarias que ainda não receberam – comentou a coordenadora.

Mas se a prefeitura ainda não fechou o calendário de pagamento, ao menos, a Educação já teve todos os funcionários com os salários na conta. Entretanto, isso não significa que a situação esteja tranquila.

Os servidores também definiram ontem que vão fazer um ‘protocolaço’ na próxima quinta-feira para cobrar a reposição dos descontos feitos nos salários que, em alguns caos, chegou a R$ 400, por causa da paralisação anterior.

– Nosso departamento jurídico vai tomar as providências. A greve não foi considerada ilegal, então o governo não teria direito de descontar algo que ainda não aconteceu – critica Cíntia Machado.

Além disso, o Sepe vai elaborar um documento para informar que é contra o escalonamento de pagamento. De antemão, ficou também ficou definido o chamado ‘estado de greve’, ou seja, se não for depositado o salário de todos os funcionários da educação até o quinto dia útil (7 de agosto), haverá nova paralisação no dia seguinte.