Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8330 Óbitos: 430
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1341 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
‘GREVE PELA VIDA’

Servidores da Educação de Cabo Frio se negam a retornar às atividades

Categoria definiu paralisação após governo enviar memorando para direção de escolas

03 agosto 2020 - 20h32Por Rodrigo Branco

Os servidores municipais da Educação de Cabo Frio decidiram não retornar às atividades presenciais nas escolas. A categoria optou por decretar a chamada ‘greve pela vida’ em assembleia virtual realizada após a Secretaria de Educação enviar um memorado às equipes diretivas das escolas da rede municipal, abrindo a possibilidade de convocação de funcionários efetivos das áreas de serviços gerais, de apoio e administrativa para trabalho em sistema de rodízio, em caso de necessidade.

De acordo com o Sindicato dos Profissionais de Educação (Sepe Lagos), foi feita uma recomendação aos professores para que boicotem qualquer trabalho  remoto ou tentativa de implantação de atividades pedagógicas a distância ou presenciais, como forma de solidariedade aos auxiliares de serviços gerais (ASGs), porteiros, inspetores de alunos, agentes de secretaria e outros trabalhadores administrativos que forem convocados para voltar ao trabalho.

“Voltar ao trabalho agora, sem os profissionais contratados, significa necessariamente se expor ao risco de morte devido ao novo coronavírus. Mas para os docentes que continuam em casa, a implantação de atividades pedagógicas remotas também seria a imposição de uma sobrecarga de trabalho absurda, pois estes terão que absorver todas as demandas dos docentes que foram demitidos”, diz comunicado publicado pelo Sepe Lagos, nas suas redes.

O texto se refere à dispensa de três mil servidores contratados, entre professores e outros profissionais, pela Secretaria de Educação, no fim de abril. O fato, associado aos constantes atrasos e escalonamentos dos pagamentos dos salários e de outros direitos, além da possibilidade de convocação para volta ao trabalho, forma o caldeirão para um novo protesto, desta vez uma carreata, que será marcada para esta semana. Na assembleia, a categoria também decidiu que vai pedir uma reunião com o governo para tratar de todas essas questões e da convocação dos aprovados no concurso de 2009.

Na semana passada, o secretário municipal de Educação, Ian de Carvalho, descartou a possibilidade de retorno às aulas, mas sinalizou com a implantação de ensino à distância. Aliás, a secretaria anunciou que disponibilizará materiais didáticos on-line e impressos aos alunos. Segundo a pasta, os conteúdos estão em fase de elaboração e em planejamento estratégico para validação como carga horária. A previsão é de que as atividades comecem na segunda quinzena deste mês para os 31.953 estudantes da rede.

 – A equipe da Seme apostava na possibilidade do retorno presencial das aulas para o segundo semestre deste ano. Entretanto, a continuidade do contágio do coronavírus mostrou que essa ação seria inviável, junto com os vários estudos de órgãos competentes que alertam para o risco do retorno presencial dos alunos às escolas nesse momento da pandemia. Sendo assim, a pasta muda de estratégia a fim de diminuir os impactos trazidos pela Covid-19 na vida escolar dos alunos, de forma que possa atender aos estudantes da maneira mais igualitária possível – afirmou o secretário.

Com a decisão da categoria na assembleia, os planos da Secretaria de Educação ficam em xeque.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.