Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
sepe

Sepe rebate entrevista de secretária: 'não é precipitação, é cansaço'

Sindicato dos profissionais da Educação reclama de promessas não cumpridas pelo governo de Cabo Frio

14 setembro 2017 - 11h54
Sepe rebate entrevista de secretária: 'não é precipitação, é cansaço'

A diretora de imprensa do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), Denise Teixeira, rebateu ontem a afirmação da secretária Laura Barreto, dada em entrevista à Folha, de que a greve dos profissionais de ensino foi ‘precipitada’. Segundo Denise, a categoria ‘está cansada das promessas não cumpridas pelo governo’.
– Precipitação seria se a greve fosse em abril, mas estamos vindo de várias promessas não cumpridas. Tem o plano de carreira que ele (prefeito Marquinho Mendes) mesmo criou, mas não está cumprindo. São dívidas desse governo. Cadê os triênios, as horas-extras? As pessoas deram aula... O prefeito tem que sentar com categoria e mostrar as contas de verdade. Os extratos bancários e não apenas números mostrados em um papel – disparou a sindicalista. 
A diretora do Sepe disse ainda que os servidores ainda não foram procurados pelo governo para negociar um novo acordo. Hoje, a categoria promove um ato com panfletagem no Largo de Santo Antônio e, em seguida, parte novamente para a frente da sede da prefeitura a fim de tentar conseguir uma reunião com o prefeito.
Sobre o argumento de Laura de que ‘não falta diálogo’ com os servidores, Denise concordou, mas ressaltou que tanto a secretária de Educação como o de Fazenda, Clésio Guimarães Faria, não têm autonomia para resolver os impasses com o funcionalismo. Ela colocou a responsabilidade nas costas do prefeito.
– Na realidade, diálogo sempre teve. Mas tanto a secretária de Educação como o secretário de Fazenda não tem condições de negociar pelo prefeito. O chefe do Executivo é o prefeito, que responde pela administração municipal. Chegamos ao nosso limite – comentou Denise.
Em nota, a prefeitura afirmou que “o prefeito Marquinho Mendes está  totalmente disponível para o diálogo, da mesma forma que ocorre desde o início do governo, e reitera que as negociações francas e transparentes já resultaram em inúmeros avanços no decorrer deste ano”.