Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Sepe Lagos vai à Justiça por salários atrasados de novembro

Depois de ir aos tribunais para receber, categoria vai novamente às ruas

12 dezembro 2015 - 17h14Por Rodrigo Branco

Depois de tomar as ruas para forçar o governo municipal a ne­gociar o pagamento dos salários atrasados de novembro, os servi­dores da Educação de Cabo Frio resolveram apelar para o Poder Judiciário. O Sindicato dos Pro­fissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe-Lagos) entrou com um pedido de liminar na Justiça do Rio exigindo o paga­mento imediato dos vencimen­tos, previsto para o dia 22. Além disso, o departamento jurídico da entidade também com um man­dado de segurança na corte da ca­pital a fim de assegurar o depósi­to do 13º salário, cujo pagamento está em risco, segundo o próprio prefeito Alair Corrêa (PP) admi­tiu em recentes declarações a ve­ículos de comunicação.

De acordo com a diretora de imprensa do Sepe Lagos, Denise Teixeira, a decisão de impetrar as ações fora da cidade é para dar mais celeridade ao julgamento.

– Todas as ações que a gente entrava aqui ficavam paralisadas, então a gente está entrando no Rio. A gente chegou a conversar ontem (anteontem) com o de­sembargados e foi dada questão de prioridade para o julgamento dessa liminar do pagamento dos profissionais da Educação – ex­plicou a sindicalista.

Apesar de também partir para a esfera jurídica, os professores e funcionários da Educação se­guem na tática de pressionar o governo com atos públicos nas ruas da cidade. Ontem não foi di­ferente. Irritados com a proposta da prefeitura de escalonar o pa­gamento – efetivos receberiam na próxima terça e os demais até o dia 22 – os servidores promove­ram novo ato na praça Tiradentes.

Diferentemente do que acon­teceu no dia anterior, quando o clima ficou tenso com a chegada Guarda Municipal que chegou a impedir a entrada dos manifes­tantes na sede da prefeitura, on­tem, os agentes se limitaram a or­ganizar o trânsito nas duas pistas da Avenida Assunção, onde ocor­reu uma passeata.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste fim de semana (12 e 13)