Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
sepe

Sepe decide voltar às aulas

Servidores, no entanto, mantêm estado de greve para dezembro

19 novembro 2015 - 09h00

Os professores da rede pública de Cabo Frio voltarão às salas de aula hoje. Mas isso não quer dizer que o embate contra a Prefeitura pela regularização no pagamento tenha acabado. A classe decidiu, em assembleia realizada na noite de ontem, no Colégio Edilson Duarte, manter-se em estado de greve e, caso o prazo de pagamento dos vencimentos de dezembro não seja respeitado, cruzará os braços novamente.

A assembleia reuniu dezenas de servidores no auditório do colégio, que esteve completamente lotado. Os funcionários têm nova paralisação programada para terça-feira, com manifestação em frente à Secretaria de Educação.

Além disso, haverá vigília na Prefeitura para acompanhar o pagamento, a partir do dia 3 de dezembro, com paralisação.

Ontem, a Secretaria de Administração divulgou nota ‘ameaçando’ os funcionários com cortes de ponto dos dias em que permaneceram em greve. O comunicado oficial informava que a Prefeitura cedeu dias de folga para a categoria em razão do atraso no pagamento dos contratados.

Os alunos da Rede Municipal de Ensino de Cabo Frio voltaram às aulas ontem. Um levantamento da pasta mostrou que 61% das escolas funcionaram normalmente. Outras 13% tiveram funcionamento parcial e 26% não abriram.

A secretaria ainda pediu aos pais e responsáveis que levassem os filhos às escolas e ressaltou a importância para o cum-primento do calendário de dias letivos. A nota afirmou que o pagamento foi efetuado na terça a todos os contratados, conforme compromisso firmado com os professores.

A diretora do Sepe, Denise Teixeira, desmentiu os dados do governo e lembrou que quem delibera greve ou não é a assembleia da categoria.

– É mentira. Muitas escolas estavam paralisadas. Não foi folga, até porque quem decide se há greve é a categoria, não o governo. Ele (Alair Corrêa) inventou essa folga para desconstruir o movimento. Mas respondemos continuando com a paralisação – afirmou ela, que também disse que os servidores receberam o pagamento sem inúmeros direitos.

– Teve servidor que recebeu o salário com um desconto de quase R$ 700 – completou