Assine Já
domingo, 26 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Crise

Sem remédio para a crise

 Saúde tem avanços, mas falta de medicamentos ainda é fantasma

20 julho 2015 - 10h14
Sem remédio para a crise

Nos últimos 90 dias, perío­do que o prefeito Alair Corrêa (PP) estipulou para o fim da crise econômica no município e que termina hoje, ficou clara sua preocupação com a área da Saúde, considerada o calcanhar de Aquiles da sua gestão.

Da sua autonomeação como secretário, em 12 de maio – na verdade, Carlos Ernesto Dor­nellas ainda responde adminis­trativamente pela pasta – pas­sando pela criação de comissão para investigação de irregulari­dades, até o momento, se hou­ve avanços como a melhoria no atendimento, velhos problemas persistem e fazem padecer os pacientes que não tem outra op­ção a não ser procurar o sistema público de Saúde.

A Folha esteve ontem em três das principais unidades da rede municipal: Hospital do Jardim Esperança; Hospital da Mulher, no Braga e na UPA do Parque Burle e, entre elogios e críti­cas, pôde constatar que ainda há muito a ser feito.

– O atendimento está tran­quilo, mas não tem medicação. Tive que voltar duas vezes ao consultório pra que o médico passasse outro remédio no lugar do que não tinha. No fim, aca­baram usando Buscopan na veia mesmo – relatou a dona de casa Lucelena Monteiro, 41, que saiu do Jacaré para buscar solução para uma infecção intestinal no Hospital do Jardim.

Em outra ala, a atenção do pediatra era elogiada por Ana Cláudia Mariano, vizinha de Lucelena, que se queixava de uma garganta inflamada. Há um mês, a gripe do filho de um ano foi curada após visita ao local.
– Na UPA, o médico nem olhou. Mandou colocar o menino no soro. Disse que não podia dar remédio. Aqui o médico entrou com medicação e ele ficou bom – conta.
Na unidade do Parque Burle, municipalizada e mais vazia que o normal, as queixas não se referem apenas à falta de cuidado de alguns profissionais, mas também à demora no atendimento e ao baixo estoque de remédios. Roberto Carlos do Nascimento aguardava há uma hora ser chamado ao consultório, o que aconteceu enquanto falava com a reportagem.
– Já estou esperando há um bom tempo. Costumo ir ao particular, que também demora, diga-se de passagem – comentou.
Duas fileiras atrás, a vendedora Joana de Souza, 31, disse que esperava há apenas dez minutos, atendimento para filha de 13 anos, com dor abdominal, mas o fato de estar em pé e de braços cruzados denotava impaciência.
– Quase nunca tem (remédio). Tem pouca criança agora, não sei porque não encaminhram logo a minha filha ao consultório – disse, preocupada.
Mais tranquila estava Regina Celi da Silva, no Hospital da Mulher, para onde a filha Fernanda foi levada após um sangramento, no oitavo mês de gravidez.

– Graças a Deus, agora está tudo bem. Não tenho do que falar mal – elogia.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde esclarece que, na última semana, parte do estoque de medicamentos foi reabastecida e nos próximos dias, outros lotes serão entregues, para normalização do fornecimento.
Em relação ao atendimento na UPA, a Secretaria esclarece que conta com um sistema baseado em uma classificação de riscos com quatro níveis de prioridade (vermelho – emergência; amarelo, urgência; verde – prioridade não urgente; azul – consulta de baixa complexidade, atendimento de acordo com horário de chegada), privilegiando sempre os casos considerados mais graves.