Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
fabrica de multas

Secretário vai contestar ‘Fábrica de Multas’

Levantamento vai apontar índices de multas e apreensões em Cabo Frio

09 julho 2015 - 10h28
Secretário vai contestar ‘Fábrica de Multas’

NICIA CARVALHO

Depois de inúmeras reclamações e tentativas de se obter dados oficiais sobre a atuação da Guarda Municipal de Cabo Frio no que se refere à aplicação de multas e apreensões de carros – que gerou a alcunha “fábrica de multas”, criada pelo vereador Aquiles Barreto (SD) – o secretário de Ordem Pública, Renato Vianna, afirmou em entrevista à Folha dos Lagos que prepara levantamento oficial. O motivo seria para “acabar com a politicagem eleitoreira envolvendo a guarda”. E mais: segundo ele, os índices são os mesmo da gestão passada, só que com “mais eficiência”, conforme classificou.

Seja nas ruas ou na Câmara de Vereadores, onde os embates e as críticas têm sido veementes, a discussão sobre o tema não cessa. No início do mês passado, durante uma sessão, Aquiles criticou a demora da secretaria em responder ofício em que questiona dados oficiais da pasta. Por outro lado, o prefeito Alair Corrêa (PP) já havia declarado em entrevista aos meios locais de comunicação que a aplicação de mulas saltou de 300 para 15 mil.

– As pessoas sabem que têm que cumprir a lei de trânsito e toda hora tem campanha educativa sobre isso, seja nacional ou local. A Guada Municipal apenas cumpre a lei – disparou.

Folha dos Lagos – Qual média de multas e de apreensão de veículos em Cabo Frio desde que o rigor começou? Qual o índice no mesmo período do ano passado?

Renato Viana – A média é a mesma do governo passado. Não mudou nada, só mudou a eficiência do trabalho. Estou fazendo um levantamento, com gráficos, e vou divulgá-lo apenas quando estiver totalmente pronto para acabar de uma vez com exploração política que vem sendo feita em torno disso, com a politicagem eleitoreira envolvendo a Guarda Municipal.

Folha dos Lagos – Recebemos denúncias de que o rigor da guarda não se estende para áreas da periferia, por exemplo. É verdade? Por quê?

Renato – A postura não é diferente e a Guarda não multa porque eu mando. Quando o agente está na rua ele lavra o auto de infração de acordo com tudo que ele observou de errado. Se o guarda vê a irregularidade e não aplica a multa ele está prevaricando. Então a postura é idêntica, desde que haja irregularidade.

Folha – Mas frequentemen- te há reclamações de irregula- ridades no Jacaré, mas só no Centro a atuação é rigorosa...

Renato – O Centro é mais movimentado do que qualquer outro bairro da cidade, seja por conta de moradores locais ou de cidades vizinhas. Apenas por isso a quantidade de infrações no Centro é maior, e não porque a guarda não atua em outros locais. No Centro vê-se de tudo: vaga de idoso ou deficiente que não é ocupada por quem de direi- to, assim como o passeio públi- co. Isso tem que ser reprimido. Mas não há escolha de bairro.

*Leia a entrevista na íntegra na edição impressa da Folha desta quinta-feira.