Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
guarda municipal

Secretário de Ordem Pública reclama de morosidade no órgão

Adalberto Porto diz que “não pode colocar uma faca no pescoço das pessoas” 

04 dezembro 2014 - 15h22Por Texto e foto: Gabriel Tinoco
 Secretário de Ordem Pública reclama de morosidade no órgão

Depois de receber inúmeras reclamações da Guarda Municipal, o secretário de Ordem Pública, Adalberto Porto, dire­­­­­­cionou as críticas para outros setores do governo. Em entrevista à Folha, Porto disse que fez o pedido para praticamente todas as exigências da categoria, mas esbarra na morosidade do poder público. As reivindicações passam pela melhora na infraestrutura e vão até a criação de uma identidade funcional e o cumprimento da Lei nº 13.022/2014, que confere poder de polícia à corporação.

– A Secretaria de Ordem Pública faz o que pode. Nós sempre enviamos o pedido da classe e esperamos uma resposta. Não posso colocar uma faca no pescoço das pessoas para adiantar os trabalhos. A parte da preparação para se adequar a um projeto de lei não acontece de um dia para o outro. As coisas funcionam de maneira diferente no governo. Abrir um processo e esperar a licitação requer uma demora. Já pedi mais viaturas e busquei cursos de capacitação. Estou na expectativa somente para assinar – revela o secretário.

O secretário culpou as questões burocráticas da Prefeitura pela demora na regularização do caminhão reboque – uma das principais ferramentas de trabalho da Guarda Municipal. O automóvel está estacionado em frente à sede desde julho deste ano, caracterizando a inutilização de um equipamento importantíssimo. Adalberto Porto, à época, prometeu “resolver a questão imediatamente”.  

– A regularização do caminhão reboque depende apenas da questão burocrática. Espero que os órgãos regularizadores da Prefeitura, o Denat e o Detef, liberem o caminhão reboque para os guardas. Os órgãos fazem a licitação. Essa parte não está na minha competência fazer. A Secretaria de Ordem Pública envia as reivindicações e espera uma resposta. 

A Folha visitou as instalações da Guarda Municipal na tarde de anteontem e a situação continua precária. A sede da instituição apresentava inúmeros problemas como vasos sanitários sem tampa, armários quebrados e ventiladores sem funcionar. Adalberto Porto afirmou que repassou as principais necessidades à Secretaria de Obras há meses, mas nenhuma reforma foi realizada.

– Fiz um pedido para a Secretaria de Obras, mas a reforma não foi providenciada ainda. Estou aguardando as obras até agora. Não lembro exatamente a data, mas já passaram alguns meses. O que posso fazer além de esperar? Não há o que fazer – conta ele, que, em seguida, entrou em contradição ao afirmar que parte da obra já foi realizada na sede.

O secretário ainda minimizou a criação de uma identidade funcional para os guardas municipais. Para Adalberto, a medida não é nenhuma prioridade para a categoria. Ele aconselha os servidores a usarem o contracheque para a identificação no trabalho.

– Temos outras prioridades. Para provar que é guarda, basta usar o contracheque. Aliás, o próprio fardamento comprova a profissão. Nós temos no momento prioridades mais importantes para tratar. Não há necessidade nenhuma em criar uma identidade funcional agora. Num momento em que outras questões forem resolvidas, podemos começar a pensar na criação de uma identidade funcional para os servidores públicos. Por enquanto, essa necessidade não existe – finaliza o secretário.

A Folha dos Lagos tentou entrar em contato com o secretário de Obras, Paulo Castro, para responder à declaração de Adalberto Porto, mas o secretário não atendeu as ligações até o fechamento desta edição.