Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
pagamento

Secretário de Fazenda garante salário na segunda (7) apenas para Educação

Clésio Guimarães diz que município ainda não tem dinheiro suficiente para quitar toda a folha

04 agosto 2017 - 18h07Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Secretário de Fazenda garante salário na segunda (7) apenas para Educação

O quinto dia útil de agosto é na próxima segunda, dia 7, e pela legislação, deveria ser a data de pagamento para o funcionalismo municipal de Cabo Frio. Deveria, porque segundo o secretário de Fazenda, Clésio Guimarães Faria, apenas os servidores da Educação terão os vencimentos depositados no começo da próxima semana. 

Os demais funcionários dependem de um levantamento no caixa a ser feito pela Fazenda, uma vez que as folhas salariais ainda não tinham sido enviadas até o fechamento desta edição. O secretário afirmou que, ontem, nas contas municipais, havia R$ 14 milhões. Para cobrir totalmente a folha, são necessários R$ 25 milhões.

– Não é possível garantir que todos os funcionários vão receber. Apenas a Educação, porque é pago, em parte, com verba própria. Para os outros, estamos esperando aglutinar recursos. Todos os nossos esforços estão empenhados nisso – afirma.

Clésio disse que para pagar aos profissionais de ensino, o município teve que arcar com R$ 5 milhões. Outros R$ 4,8 milhões vêm do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), recurso que, segundo o secretário, tem caído mês a mês, por causa de problemas na prestação de contas na gestão passada.

– No último mês, recebemos apenas R$ 7,5 milhões de Fundeb – comenta.

“Pingo no oceano” – Para honrar compromissos futuros, a prefeitura não pode mais contar com os recursos recentemente desbloqueados do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Mal caíram nos cofres municipais, os R$ 15,8 milhões ‘evaporaram’, usados para quitar débitos antigos e atuais com o servidores e também com a Previdência e a Câmara Municipal. 

– Pagamos folhas, aposentadorias, Câmara. Coisas que eram devidas e tinham que ser pagas. Esses R$ 15,8 milhões foram como um pingo d’água no oceano – compara.

O uso desses recursos, aliás, foi objeto de questionamento na Câmara. O vereador Rafael Peçanha (PDT) pediu para saber onde o dinheiro foi aplicado e logo recebeu a resposta oficial da secretaria. 

– Esses 15,8 milhões estavam liberados e somam-se aos 10 milhões a mais de arrecadação que o governo teve nesse primeiro quadrimestre em relação ao ano passado. Então, na prática, entraram R$ 26 milhões a mais do que no governo passado. Ao mesmo tempo, há a dificuldade de honrar os pagamentos pela dificuldade em aumentar a arrecadação própria – observou Peçanha.

Questionado sobre a fala do vereador, o secretário respondeu.

– O fato de divulgar os números não tem nada demais porque não há nada a esconder. Os dados estão, inclusive, no Portal da Transparência. São públicos. Quanto a impulsionar a arrecadação própria, estamos fazendo, mas estamos em crise. As pessoas não estão pagando o IPTU. Estamos ajuizando, entrando com protesto, mas o retorno é lento. Uma execução de protesto demora dois anos – argumenta Clésio.