Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
balanço

Secretário de Cultura faz balanço positivo do Carnaval

Chopinho diz que há pontos a melhorar e já marcou reunião de avaliação para abril

02 março 2017 - 10h31Por Rodrigo Branco I Foto: Reprodução
Secretário de Cultura faz balanço positivo do Carnaval

Cabo Frio terá eventos carnavalescos até domingo, mas o secretário de Cultura, Ricardo Chopinho, disse ontem que ficou satisfeito com a organização da festa durante os quatro dias do calendário oficial, feita pouco mais de 50 dias após a atual gestão municipal tomar posse. Chopinho agradeceu aos funcionários e também aos blocos pela ‘colaboração’, dando a senha de que o polêmico formato ‘concentra, mas não sai’ pode permanecer para o próximo ano.

– Faço um balanço positivo. Em 50 dias, já fizemos uma festa melhor do que no Réveillon. Vejo pela repercussão que está tendo. Todo mundo gostou da forma que foi feito. Não deu nó no trânsito e a cidade fluiu – disse o secretário.

No entanto, Chopinho admitiu que nem tudo saiu como o esperado. Ele disse que, apesar da repressão das autoridades, o número de veículos com som alto e de pessoas com caixinhas de som ainda foi grande, bem como o de ambulantes na cidade. As virtudes e equívocos serão debatidos com os demais secretários e com a comunidade carnavalesca em uma reunião de avaliação no Charitas em 4 de abril.

Entre os acertos, ele destacou a Estação Central do Carnaval, montada na Praça da Cidadania, que promoveu bailes infantis e para a 3ª idade durante os dias de folia. O secretário afirmou que pretende espalhar a iniciativa para outros bairros da cidade no ano que vem. Sobre as agremiações que furaram o esquema de ‘bloco parado’, ele ressaltou que não houve repressão, mas os convidou a se filiarem à Associação dos Blocos.

– A gente só pode tomar conta de quem é registrado. Queremos que eles se cadastrem até para poder ajudar esse blocos no futuro. A gente não tem bola de cristal para saber o que eles querem fazer. Ao mesmo tempo, a gente tratou todos com carinho e monitoramos. Mas não foi o correto (desfilar) – argumenta.