Assine Já
sábado, 27 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26413 Óbitos: 912
Confirmados Óbitos
Araruama 6711 182
Armação dos Búzios 3191 32
Arraial do Cabo 855 37
Cabo Frio 7283 352
Iguaba Grande 2510 55
São Pedro da Aldeia 3488 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
'PLEROMA HIRSSUTISSIMUM'

Secretaria do Ambiente descobre em Cabo Frio uma planta que não era vista desde 1982

Criticamente ameaçada de extinção, a espécie pode atingir um metro de comprimento

21 fevereiro 2021 - 16h00Por Redação

A Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) fez uma descoberta botânica no Parque Estadual da Costa do Sol que animou a comunidade científica. A espécie Pleroma hirsutissimum, que não era vista na natureza desde 1982, foi vista na unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) na Região dos Lagos.

Criticamente ameaçada de extinção, a planta pode atingir um metro de comprimento, tem muitos pelos e, quando desabrocha, exibe belas e exuberantes flores roxas. A identidade da espécie, pertencente à família das quaresmeiras e que só ocorre em Cabo Frio, foi confirmada pelo pesquisador do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Paulo Guimarães. 

Para Inara Batista, coordenadora do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica (PAN) para a WWF-Brasil/Seas, a descoberta pode significar um futuro mais seguro para a biodiversidade fluminense.

– Este achado é de extrema relevância para a flora do estado do Rio de Janeiro, uma vez que, quando redescobrimos uma planta, podemos promover ações diretas em prol da conservação da espécie - destaca Batista. 

Sobre os projetos

A descoberta da pesquisadora Inara Batista e do servidor Marcos Loureiro, da Seas, é fruto do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica (PAN), que atua no âmbito do Programa Nacional para a Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção (Pró-Espécies), e tem como objetivo proteger cerca de 300 espécies criticamente ameaçadas de extinção que não contam com nenhum instrumento de conservação. 

Além da Seas, do Inea e outros órgãos estaduais de Meio Ambiente, estão entre os parceiros do Pró-Espécies o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A estratégia é financiada pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF, da sigla em inglês para Global Environment Facility Trust Fund). É implementado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e tem a WWF-Brasil como agência executora.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.