Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
UPA

Secretaria de Saúde do Estado nega que vá receber UPA

Felipe Peixoto diz que responsabilidade é da prefeitura, mas Alair não desiste da ideia

03 dezembro 2015 - 09h38Por Rodrigo Branco

Principal polo de atendimento emergencial na cidade, receben­do milhares de pessoas em feria­dos prolongados, a Unidade de Pronto Atendimento do Parque Burle pode fechar as portas em breve. Isso porque tanto a pre­feitura, atual gestora, como o es­tado não pretendem gerir a UPA.

Se as notícias davam conta que estavam avançadas as con­versas para a transferência do controle da unidade para o es­tado, o secretário estadual de Saúde, Felipe Peixoto, tratou de jogar um balde de água fria nas pretensões do governo munici­pal. Falando com exclusividade para a Folha, Peixoto foi taxati­vo e disso que não há possibili­dade que isso aconteça.

– Não pode haver devolução de algo que nunca foi do estado. A administração é do município, o terreno o município escolheu e o estado só construiu. Não cabe a estadualização da UPA. Ela sempre foi municipal e a decisão de fechá-la cabe exclusivamente ao município – afirmou o secre­tário estadual de Saúde.

Apesar disso, Peixoto afirmou que a secretaria está à disposição para discutir o funcionamento da unidade. Ele admitiu que, desde abril, o estado deve os repasses para manutenção da UPA, que já totalizam um débito de mais de R$ 8 milhões, contando as unidades do Parque Burle e de Tamoios, mas que a secretaria estadual de Fazenda já se pro­grama para quitá-lo ao longo do próximo ano.

– É importante lembrar que, além do estado, a União também repassa R$ 500 mil e a prefeitura também tem a sua cota de parti­cipação, dentro da lógica de fi­nanciamento tripartite – advertiu Felipe Peixoto.

A notícia torna-se particu­larmente preocupante pela pro­ximidade da alta temporada e, sobretudo, porque o Hospital Central de Emergência, anexo ao São José Operário, em São Cristóvão, foi reinaugurado com pompa no início de setembro, mas desde então ainda não foi reaberto ao público.

Procurado, o secretário munici­pal de Saúde, Carlos Ernesto Dor­nellas não foi localizado durante todo o dia para comentar o assun­to, mas fontes ligadas à secretaria, que não quiseram se identificar, afirmam que o clima na unidade é de incerteza tanto com relação ao aproveitamento dos funcioná­rios, como sobre o pagamento de dezembro e o 13º salário. Outra informação é que, diferentemen­te do que acontece hoje na UPA, será feito um cadastramento para que apenas moradores de Cabo Frio sejam atendidos no HCE.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (3)