Assine Já
domingo, 19 de setembro de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50688 Óbitos: 2057
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6182 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14015 822
Iguaba Grande 5355 134
São Pedro da Aldeia 6830 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
Saúde

Saúde: pacientes denunciam precariedade no atendimento em Cabo Frio

A cinco dias de encerrar prazo dado pelo prefeito, Saúde ainda vive o caos

13 agosto 2015 - 09h55

NICIA CARVALHO

Da mesma forma que o tique-taque ininterrupto de um relógio ou o escoamento constante de uma ampulheta marca a passa­gem do tempo, vai chegando ao fim o prazo estipulado pelo prefeito Alair Corrêa (PP) para tirar a Saúde de Cabo Frio do caos. O prazo de validade vence hoje, mas o cargo de interventor da pasta – em que o mandatário se autonomeou em 12 de maio – será definitivamente entregue na terça-feira que vem, dia 18.

Acostumado a colecionar polêmicas – habilidade que foi elevada à enésima potência nes­te mandato –, Alair se colocou na linha de fogo para ‘salvar’ a Secretaria de Saúde, mas o ‘mi­lagre’ esperado está muito longe de acontecer. As péssimas con­dições dos hospitais municipais são o principal problema. Um exemplo é o caso de Gilmar José Corrêa, 58 anos, que depois de ficar 21 dias internado no Hos­pital São José Operário à espera de transferência para fazer he­modiálise foi enterrado ontem no Cemitério Santa Izabel, víti­ma de complicações renais.

Sem material adequado na UPA, paciente é imobilizado com papelão

 

– O São José Operário está sem UTI adequada. Estão improvisando onde deveria ser uma enfermaria porque a UPG (Uni­dade de Pacientes Graves) ainda está em obra e a situação é pre­cária. Não transferiram meu pai por falta de vaga e porque ale­garam que ele estava em coma, mas outra senhora está lúcida e aguarda há 15 dias pela hemo­diálise. Um absurdo – disparou Fabiane Ribeiro Corrêa, 23, uma das filhas de Gilmar.

 

Sem material

Mas esta não é a única família que enfrenta dificuldades. Everaldo Paixão, 82, está internado no São José Operário há dez dias, por conta de crise convulsiva que o deixou impossibilitado de andar, e sofre com escaras (feridas) pelo corpo. A filha Helenice Alves denun­ciou que o hospital não tem po­mada colagenase, específica para este tipo de ferida, assim como materiais básicos como gaze, es­paradrapo, fita de glicose, entre outros. A Secretaria de Saúde de Arraial do Cabo doou a pomada ao tomar conhecimento do caso em um programa de rádio local.

– É uma pouca vergonha isso. Queria perguntar ao Alair o que ele é, prefeito ou secretário, por­que a cidade e a saúde estão pés­simas. E depois perguntar o que ele está fazendo com o dinheiro. Dá cesta básica, dá cartão digni­dade, mas só o nome, porque dig­nidade não há, passa bem longe de Cabo Frio – alfinetou.

 

Imobilização pífia

Ontem, um leitor enviou via WhatsApp a foto de um paciente que esta­va na UPA do Parque Burle, na noite de terça-feira, imobilizado com caixas de papelão por falta de materiais. O leitor, que não quis se identificar, informou ain­da que também não havia ambu­lância para fazer a transferência para o Hospital Santa Izabel.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (13)