Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
SEM SOSSEGO

Salários atrasados: professores e garis dão voz à indignação nas ruas de Cabo Frio

Comsercaf deve pagar na quarta-feira (12), mas professores e outros profissionais da Educação só devem receber dia 19

11 agosto 2020 - 20h07Por Rodrigo Branco

Os profissionais da Educação de Cabo Frio e os garis se juntaram nas dores pelos salários atrasados e entoaram, em coro, palavras de ordem e de indignação que ‘esquentaram as orelhas’ do prefeito Adriano Moreno (DEM) e dos vereadores, nesta terça-feira (11). Inicialmente distintos, os protestos se cruzaram nas proximidades da Prefeitura, onde um grupo de funcionários da Companhia de Serviços de Cabo Frio (Comsercaf) exigiu ser recebido pelo prefeito, de quem planejavam cobrar uma previsão de quando os salários cairão na conta.

Conseguiram uma reunião sem o prefeito, mas com a presença do presidente da companhia, Dario Guagliardi; e dos secretários de Governo, Matheus Mônica, e de Desenvolvimento da Cidade, Felipe Araújo. A autarquia informou que a previsão é que o pagamento saia nesta quarta-feira (12), mas os funcionários estão irredutíveis e afirmam que só voltam ao trabalho quando o dinheiro sair.

Pelas ruas da cidade, sacos de lixo empilhados nas calçadas e esquinas compuseram a paisagem em praticamente todos os bairros, uma vez que os grevistas impediram a saída de veículos da sede da Comsercaf, no bairro Monte Alegre. Alguns caminhões terceirizados, cujos donos não recebem desde fevereiro, segundo denúncias recebidas pela Folha; e funcionários contratados, que optaram por não cruzar os braços, tiveram que se desdobrar para tentar amenizar a situação. Apesar dos transtornos, a Comsercaf disse que a adesão ao movimento foi de apenas 10% dos funcionários.

Se os garis têm a promessa de receber o que lhes devem nesta quarta (12), no caso dos servidores da Educação, isso só deve acontecer na semana que vem. Mesmo assim, não houve comunicado oficial. A previsão de pagamento na quarta-feira que vem, dia 19, foi ouvida em reunião do Conselho Municipal de Educação, realizada ontem. Até o fechamento desta reportagem, a Prefeitura não havia divulgado o calendário de pagamento dos salários de julho. Assim como no caso da Comsercaf, o atraso é justificado pela queda na arrecadação municipal por causa da pandemia de Covid-19.

Enquanto isso, os gritos de protesto dos professores e dos demais profissionais de ensino puderam ser ouvidos pelos vereadores, durante a sessão na Câmara Municipal, no mesmo horário em que a carreata da categoria passava na Avenida Assunção, no Centro. Além do pagamento dos salários, o grupo protestava contra a convocação de servidores para trabalho presencial nas escolas; contra o possível aumento do desconto previdenciário de 11% para 14%, entre outras reivindicações.

A coordenadora-geral do Sindicato dos Profissionais da Educação, Cíntia Machado, manifestou a preocupação com a falta dos salários, em um momento em que a Secretaria de Educação anunciou que vai disponibilizar atividades para os alunos da rede municipal fazerem em casa. A sindicalista também fez menção aos três mil contratados que foram dispensados em abril.

– Muitos servidores nos ligam à beira do desespero, por não ter informação oficial. É muito ruim toda essa situação. Estamos sem salário e a Prefeitura, por meio da Secretaria de Educação, lança uma plataforma de atividades. Ficam várias interrogações. Quem vai fazer essas atividades se houve demissões de professores? Tem escolas que tem número de efetivos muito reduzido. E aqueles servidores que não receberam vão trabalhar, vão lançar atividades nas plataformas? Nos meses seguintes, vai continuar esse atraso? São muitas interrogações que só nos levam a reafirmar a necessidade de greve pela vida e também por essa questão salarial, pela qual já havia deflagrado greves anteriormente. São atrasos praticamente ininterruptos – desabafou.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.