Assine Já
segunda, 14 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42549 Óbitos: 1631
Confirmados Óbitos
Araruama 10478 329
Armação dos Búzios 5160 57
Arraial do Cabo 1486 81
Cabo Frio 11320 600
Iguaba Grande 4350 105
São Pedro da Aldeia 5809 254
Saquarema 3946 205
Últimas notícias sobre a COVID-19
gamboa

Rua dos Biquínis esquenta o inverno

Shopping cria alternativas inovadoras para fisgar consumidores na baixa temporada

13 maio 2015 - 09h00Por Rosana Rodrigues
Rua dos Biquínis esquenta o inverno

Um dos pontos turísticos mais conhecidos de Cabo Frio, a Rua dos Biquínis, na Gamboa, tenta aquecer o inverno na baixa temporada com estratégia de marketing, planejamento e otimismo. E os lojistas usam a criatividade para fazer a diferença no caixa, atrair os consumidores e enfrentar os meses mais difíceis do ano. A sazonalidade requer, no mundo dos negócios, um empresário inovador para transpor a crise e manter a estrutura de seus empreendimentos mesmo quando o sol não abre aquele sorriso para os comerciantes. O local mantém cerca de 200 lojas e emprega aproximadamente três mil funcionários.

Segundo a diretora da Associação Comercial e Industrial da Rua dos Biquínis (Acirb) Ielra Victer, dona das lojas Enseada, a Rua dos Biquínis atrai visitantes o ano inteiro. No entanto, nos meses de baixa temporada, as vendas caem em torno de 70% no período. A ideia, diz a diretora, é investir em promoção, liquidação, e até mesmo em vendas coletivas com desconto de até 50%.

– Se o tempo estiver bom, as pessoas compram biquínis. Se chover, as pessoas vêm passear e também compram algumas peças. No inverno, já trabalhamos a coleção do verão 2016 e fazemos promoção das peças da estação deste ano com descontos de até 50%. A loja já tem 70% da coleção da estação no ano que vem. Estamos preparando o espaço para receber os visitantes do feriado de Corpus Christi, quando é esperado um maior número de visitantes. Temos que fisgar o cliente de qualquer jeito. Assim a loja fica mais atraente e seduz com mais facilidade o consumidor – assinala a diretora, que é proprietária de quatro lojas com cerca de 40 funcionários na baixa temporada, capazes de comercializar aproximadamente mil peças durante o verão.

Já o dono da loja AB, de moda praia, Armando Braga, prefere ir ao encontro dos clientes em vez de ficar esperando eles irem a sua loja. Para isso, o comerciante ‘exporta’ seus produtos para várias lojas do Brasil, incluindo os estados de Minas Gerais e do longínquo Rondônia. O mercado alternativo alcançado na baixa temporada serve para manter os cerca de 200 funcionários de suas nove lojas, além de uma fábrica.

– Estou otimista com o novo ministro do Planejamento que aumentou a confiança no mercado econômico. Mantenho o mesmo pessoal há cerca de cinco anos, os mesmos preços e clientes de fora também. Busco mercados alternativos e tenho metas a cumprir fora. Ou seja, faço meu dever de casa porque várias famílias dependem do meu negócio e não posso brincar com vidas – comenta o comerciante.

A dona da loja Kaias Active Wear, de roupas de ginástica, Carla Belídio, investe em mídias sociais e consegue vender também pelo aplicativo WhatsApp. Apesar de já ter em sua loja todas as peças que irão compor a moda fitness do ano que vem, a comerciante opta ainda pelas mídias sociais para expor seus produtos:

– A cidade não tem turistas nesta época e o perfil do consumidor é de baixa qualidade. Não faço promoção coletiva e as peças de promoção ficam expostas em uma arara destacada. O nosso lançamento de verão já está nas vitrines desde os feriados de abril. Com venda efetivada pelas redes sociais, ainda envio pelos Correios – disse Carla.